Associação de Numeração de Valores Mobiliários dos EUA deve debater padrões para ativos digitais

Uma associação global de agências nacionais de numeração criou uma nova força-tarefa para avaliar a adoção de padrões de nomes para ativos digitais.

Todos os tipos de tokens devem ser levados em consideração

A Associação de Agências Nacionais de Numeração (ANNA) é quem examinará a identificação de ativos digitais, como tokens e criptomoedas, como anunciou a organização em 23 de outubro.

A ANNA supervisiona o trabalho das agências nacionais de numeração global - organizações responsáveis pela emissão de Números Internacionais de Identificação de Valores Mobiliários (ISINs) - e agora considerará o papel e a abordagem dos ISINs em relação à identificação de ativos digitais.

Dentro da nova iniciativa, a ANNA fornecerá recomendações sobre as vantagens potenciais da criação de padrões globais para a atribuição de ISINs a todos os tipos de ativos digitais, incluindo tokens de ativos, tokens de pagamento, tokens de utilidade e tokens híbridos, esclareceu a associação.

O que são ISINs?

Um ISIN é um identificador universal exclusivo de valores mobiliários, incluindo ações, instrumentos de dívida, direitos, derivativos e outros ativos, incluindo commodities, moedas, índices e taxas de juros.

Introduzidos pela primeira vez em 1981, os ISINs servem como identificação padrão para valores mobiliários comuns. Todos os emissores de valores mobiliários negociados internacionalmente devem usar a numeração ISIN. Ao contrário de um símbolo de ticker, que varia dependendo dos valores mobiliários listados em uma bolsa específica, um código ISIN é fixado para um determinado título e consiste em 12 caracteres.

Uwe Meyer, diretor executivo da ANNA, afirmou que os dados de referência padronizados ajudarão a construir um mercado de tokens confiável, observando que os ISINs são emitidos em mais de 200 jurisdições em todo o mundo para permitir o comércio transfronteiriço e melhorar a transparência.

Empresas europeias lançam ISIN de título de Bitcoin pela primeira vez

Em julho, a Argento, uma firma de securitização com sede no Luxemburgo, fez uma parceria com a London Block Exchange para emitir um título denominado Bitcoin. O produto financeiro, regulamentado pela Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido, tornou-se disponível via Bloomberg Terminal e foi o primeiro produto criptográfico a ter seu próprio código ISIN.