SEC desmantela ICO fraudulenta endossada por Floyd Mayweather, fundadores deram golpe de US $ 32 milhões

A Comissão de Valores Mobiliários (SEC) dos Estados Unidos acusou dois cofundadores de uma suposta empresa de serviços financeiros de organizar uma oferta inidial de moedas (ICO) fraudulenta, anunciou a SEC em comunicado à imprensa em 2 de abril.

A SEC diz que os cofundadores da Centra Tech. Inc., Sohrab Sharma e Robert Farkas, foram presos e acusados ​​depois de levantarem US $ 32 milhões em investimentos não registrados por meio de um “Token CTR”. Farkas tomou providências para deixar o país, mas foi detido antes de embarcar em seu voo.

De acordo com a SEC, Sharma e Farkas afirmaram que a empresa ofereceria uma variedade de produtos financeiros, incluindo um cartão de débito garantido por Visa e MasterCard, com o qual os usuários poderiam converter instantaneamente ciptomoedas em dólares e outras moedas de curso legal. A SEC diz que não existia tal acordo ou relacionamento entre a Centra Tech. Inc. e Visa ou Mastercard.

A agência financeira dos EUA alega ainda que Sharma e Farkas promoveram sua ICO fraudulenta criando executivos fictícios com currículos e biografias impressionantes, publicando materiais de mercado “falsos ou enganosos”, além de pagar celebridades para promover a ICO. O boxeador americano Floyd Mayweather apoiou a ICO no Instagram em um post que já foi removido. Stephanie Avakian, codiretora da Divisão de Execução da SEC, disse sobre as acusações:

"Alegamos que a Centra vendeu aos investidores a promessa de novas tecnologias digitais e usaram uma sofisticada campanha de marketing para criar uma rede de mentiras sobre suas supostas parcerias com empresas legítimas. Como a acusação alega, essas e outras afirmações eram simplesmente falsas".

Sharma e Farkas foram oficialmente acusados ​​de violar as disposições antifraude e de registro das leis federais de valores mobiliários. A SEC está buscando injunções permanentes e um retorno de seus ganhos mais juros e penalidades. A SEC também pretende proibir Sharma e Farkas de atuarem como administradores ou diretores de empresas públicas e de participar de qualquer oferta de valores mobiliários, digitais ou não.

Em novembro do ano passado, a Cointelegraph informou que a SEC alertou os investidores de que as ICOs endossadas por celebridades poderiam ser ilegais. A comissão alegou que as celebridades que promovem a venda de tokens poderiam violar as "leis antialiciamento" se não revelassem sua compensação.