Governo de Ruanda vai usar tecnologia Blockchain para rastrear o metal de conflito tântalo

Ruanda fez uma parceria com uma startup blockchain sediada no Reino Unido para rastrear a mineração do tântalo do metal do conflito no país, de acordo com o comunicado de imprensa da startup, publicado em 16 de outubro.

Ruanda é a principal produtora mundial de tântalo, o mineral usado em eletrônicos de consumo, como smartphones e computadores. Ao usar a tecnologia blockchain em parceria com a startup Circulor, a Mineração do Ruanda, a Diretoria de Petróleo e Gás, planeja tornar a produção de tântalo mais transparente.

O comunicado de imprensa afirma que a implementação da tecnologia blockchain ajudará as “empresas a cumprir os esforços internacionais para erradicar fontes de financiamento para minerais de conflito”.

Segundo a Reuters, a empresa de mineração Power Resources Group (PRG) - cujos parceiros listados incluem a Kemet, fornecedora da Apple - conduziu um piloto para rastrear o metal e agora está "usando o sistema de produção". O CEO da PRG, Ray Power, disse à Reuters que ele tem ouvido “críticas sobre rastreabilidade” de minerais desde 2015.

As empresas fizeram uma parceria para usar a plataforma blockchain da Circulor, criada no Hyperledger Fabric, um software de contabilidade digital de código aberto voltado para empresas hospedado pela Linux Foundation, para rastrear a cadeia de fornecimento de tântalo.

Douglas Johnson-Poensgen, CEO da Circulor, sublinhou que a nova aplicação tecnológica irá “reduzir drasticamente os custos para os mineiros que atualmente suportam uma fatia desproporcional do custo de conformidade”. Ele também acrescentou:

“Nossa plataforma blockchain capacitará os consumidores a entender de onde vêm os materiais nos produtos que compram e também dificultará a passagem de materiais que não sejam de origem ética pela cadeia de suprimentos.”

Nesta primavera, a Circulor fez uma parceria com a gigante alemã de fabricantes de automóveis BMW "para rastrear os chamados suprimentos 'limpos' de cobalto, a fim de garantir sua proveniência ética", informou a Cointelegraph em 6 de março.

Também nesta primavera, a De Beers, gigante global produtora de diamantes, anunciou o uso da tecnologia blockchain para diamantes de rastreamento digital “da mineração ao varejo”. A meta da empresa era aumentar a eficiência na cadeia de fornecimento e apoiar a confiança do consumidor e do público. Produção de diamantes sem conflito da De Beers.