Oligarca russo transforma planta soviética em um importante centro de mineração de Bitcoin

O maior data center da antiga União Soviética, o BitRiver, foi inaugurado há cerca de um ano na cidade siberiana de Bratsk e a maioria de seus clientes utiliza a instalação para minerar Bitcoin (BTC), informou a Bloomberg em 24 de novembro.

O data center permite que os mineradores de criptomoeda aproveitem a energia barata no que costumava ser a maior fundição de alumínio do mundo. A usina foi construída pela URSS na década de 1960 com a usina hidrelétrica ainda ativa para alimentar suas operações.

Clima frio, energia barata

A localização do data center também se beneficia de um clima frio, permitindo que o hardware de mineração trabalhe com taxas de eficiência mais altas, reduzindo os custos de refrigeração.

O bilionário e presidente da Rusal, segunda maior empresa de alumínio do mundo, Oleg Deripaska, é o maior acionista da Bitriver. Ele teria tido a idéia de construir o data center há cerca de cinco anos e orientou sua empresa, juntamente com a produtora de alumínio e energia En +, a redirecionar as instalações.

De acordo com a Bloomberg, a lei russa não reconhece a mineração de criptomoedas. Devido a essa área legal cinzenta, a Bitriver não se dedica diretamente à mineração, mas apenas fornece equipamentos e serviços técnicos aos seus clientes - incluindo Japão, China e Estados Unidos - operando como qualquer outro data center.

A En +, na qual Deripaska e sua família possuem uma participação de 45%, fornece até 100 megawatts de energia às instalações, energia suficiente para sustentar 100.000 casas. A planta é a maior usina hidrelétrica da Rússia e o data center permite vender constantemente excesso de energia e diversificar sua base de clientes.

O BitRiver está pagando 2,4 rublos por quilowatt-hora, equivalente a cerca de US$ 0,038 sem imposto sobre valor agregado e o vende a 3,5 rublos (US$ 0,055) por kWh para os mineradores. Para comparação, o preço médio da eletricidade nos Estados Unidos é de cerca de US$ 0,12 por kWh.

Mineradores de Bitcoin não se incomodam com queda de preço do BTC

O Bitcoin e o mercado geral de criptomoedas tiveram uma queda significativa no preço no início desta semana, com o BTC caindo abaixo de US $ 7.000. Ainda assim, os mineradores parecem querer continuar com sua capacidade.

"Não existe pânico dos mineradores", comentou Alistair Milne no domingo, após um aumento nos índices de hash da rede e aumento esperado da dificuldade. Ele continuou: 

"Eles estão bem conscientes do próximo halving e aparentemente não sofrem com a recente queda".

Como o Cointelegraph informou no início desta semana, a empresa alemã de mineração de Bitcoin, Northern Bitcoin, entrou em um acordo de fusão com a concorrente norte-americana Whinstone, para construir em conjunto o que supostamente será a maior fazenda de mineração do mundo.