Ministério das finanças da Rússia diz que a Venezuela "não se oferece" para pagar suas dívidas em Petro Coin

Autoridades russas negaram as alegações de que a Venezuela se ofereceu para pagar suas dívidas em sua recém-lançada criptomoeda Petro , segundo relatado pela Reuters hoje, 27 de Março.

Como relatou a agência, Konstantin Vyshkovsky, chefe do departamento de dívida estatal do ministério das finanças da Rússia, disse a repórteres que nenhum pagamento da dívida baseado em criptomoedas estava nos planos.

A atualização aconteceu uma semana depois que o presidente venezuelano, Nicolas Maduro, anunciou que o rublo russo seria uma das poucas moedas fiduciárias livremente conversíveis com o Petro. Os outros seriam o yuan chinês, a lira turca e o euro. “A partir de 23 de Março, todas as entidades legais e físicas poderão comprar o Petro diretamente (…) nos próximos 15 dias para moedas conversíveis,”segundo citou a RT om "ele" como anunciante da época.

O Petro continua a causar fendas depois que foi lançado em Fevereiro, com o presidente dos EUA, Donald Trump, proibindo compras por 10 cidadãos norte-americanos no início deste mês.

Ao mesmo tempo, um artigo na revista Time citava fontes anônimas alegando que Petro recebera apoio e insumos russos desde 2017, devido ao apelo de contornar as sanções ocidentais.

"Pessoas próximas a Putin disseram que é assim que se evitam as sanções", disse um executivo do banco estatal russo à publicação, que publicou sua exposição em 20 de Março.

Petro foi inicialmente apontado para levantar $5,9 bilhões em vendas de tokens, com Maduro alegando que o Estado arrecadou $735 milhões no primeiro dia de sua pré-venda sozinho.