Pesquisa: Mais de 40% dos funcionários na indústria da blockchain são funcionários de exchanges

Quase metade de todas as pessoas que trabalham na indústria da blockchain são empregadas em exchanges de criptomoedas, revela uma nova pesquisa da publicação The Block.

O The Block publicou os resultados da pesquisa em 23 de outubro, declarando que 42% das pessoas, em 158 empresas analisadas, trabalham em exchanges de moeda digital, com cerca de 7.700 pessoas, trabalhando em 30 exchanges diferentes.

As exchanges são seguidas pelos produtores de equipamentos de mineração, incluindo 11% dos funcionários da indústria de blockchain. 10% dos funcionários pesquisados trabalham em várias fundações que "governam" as criptomoedas, sendo elas: Ripple, TRON, Block.one e IOHK, os maiores empregadores do setor.

Das 158 empresas analisadas envolvidas em cripto e blockchain, Bitmain, Huobi, Coinbase e OKEx, assumem a liderança em termos de número de pessoas empregadas, com 1.500, 1.300, 1.000 e 950 funcionários, respectivamente. A equipe da Binance e da Ripple, é composta por cerca de 650 e 450 funcionários, respectivamente.

Empresas de cripto e blockchain estão entre os melhores lugares para trabalhar

Conforme relatado em setembro, a Coinbase e a Ripple cairam do top 10 da lista "As 50 melhores empresas para trabalhar nos EUA" do Linkedln. A startup de negociação de ações e criptomoedas, Robinhood, manteve sua posição, passando do sexto lugar em 2018, para o sétimo em 2019.

A Ripple foi classificada como uma das melhores empregadoras do setor de tecnologia na área da baía de São Francisco. Naquela época, 91% dos funcionários disseram que a Ripple é um ótimo lugar para se trabalhar, com 95% dos entrevistados alegando que têm orgulho de dizer aos outros que trabalham lá.

Em junho, o LinkedIn nomeou o blockchain como uma das 10 principais competências dos funcionários na região Ásia-Pacífico.