Relatório: tribunal dos EUA afirma que Rapper T.I. vendeu valores mobiliários não registrados em ICO do token FLiK

A divisão de Atlanta do tribunal dos Estados Unidos no distrito norte da Geórgia afirma em uma ordem publicada em 20 de maio no Twitter pelo advogado Stephen Palley que o rapper T.I. - nome real de Clifford Joseph Harris Jr. - vendeu valores mobiliários não registrados em sua oferta inicial de moeda (ICO) do FLiK.

De acordo com o documento publicado pela Palley, embora os tokens FLiK tivessem funcionalidade adicional (como a concessão de acesso a eventos), os detentores de tokens recebiam lucros do trabalho da empresa. O parceiro de negócios da Harris, Ryan Felton, afirmou nas redes sociais:

“Os tokens FLiK serão resgatáveis por US$ 3,99 em 3 meses, US$ 9,99 em 12 meses e US$ 14,99 em 15 meses [...] Isso representa um crescimento TREMENDO em 1 ano.”

Ainda assim, de acordo com Palley, o tribunal observou que há um problema, uma vez que a venda de valores mobiliários não registrada devem ser levadas ao tribunal dentro de um ano após a violação da lei federal. Ele conclui que “porque isso não é pedido, essas alegações são descartadas com licença para correção do erro no preenchimento”. Por fim, Palley também disse que os méritos ainda precisam ser julgados.

Como informado pelo Cointelegraph na época, Harris havia sido processado por US$ 5 milhões por um grupo de pessoas depois que o token FLiK falhou em novembro do ano passado.

Na semana passada, o pugilista Floyd Mayweather e o produtor musical DJ Khaled foram absolvidos de uma ação movida por investidores de uma ICO fraudulenta.