Relatório: O mercado suíço de Fintech cresceu 62% em 2018

O mercado de fintechs suíço cresceu 62% em 2018, de acordo com um estudo recente da Universidade de Ciências Aplicadas de Lucerna, publicado em 27 de fevereiro.

A Universidade de Ciências Aplicadas de Lucerna realizou uma revisão profunda do mercado de fintech da Suíça pela quarta vez. O relatório apelidado de "IFZ FinTech Study 2019" revela que, em escala global, as cidades de Zurique e Genebra permanecem em segundo e terceiro lugar para as melhores cidades para fintech, respectivamente. O setor de fintech dentro do país cresceu 62% em relação ao ano anterior.

Segundo a análise, a Suíça tinha 356 empresas de tecnologia financeira em 2018, em comparação com 220 empresas no ano anterior. O crescimento é supostamente contingente em empresas fintech de Tecnologia Contabilidade Distribuída (DLT), representando um aumento de três dígitos. Mais precisamente, “do total de 356 empresas, 122 são de Tecnologia de Ledger Distribuído (DLT), 66 em Gestão de Investimentos, 56 em Infraestrutura Bancária, 42 em Depósito e Empréstimos, 36 em Pagamento e 34 em Análises”.

A pesquisa também cita várias empresas de ofertas iniciais de moedas (ICO) no setor de fintech da Suíça, especificando:

“No geral, um total de US$ 386 milhões foi arrecadado no ano passado com 15 ICOs, uma diminuição tanto no número como no volume desse financiamento. A maior ICO em 2018 foi a Envion, que recebeu aproximadamente US$ 100 milhões, seguida pela Nexo e SwissBorg, com US$ 52,5 e US$ 50 milhões, respectivamente”.

Número de empresas Fintech na Suíça. Fonte: The Lucerne University of Applied Sciences

De acordo com um relatório recente do ICObench, o serviço de classificação da ICO, a Suíça se tornou o segundo maior país em termos da quantia arrecadada através da ICO no quarto trimestre de 2018, tendo levantado US$ 238 milhões.

Como a Cointelegraph informou no início deste mês, o presidente da Associação da Crypto Valley Association (CVA), Daniel Haudenschild, declarou que o mercado bear havia prejudicado a posição da Suíça como um centro global de blockchain. Haudenschild também observou que “grandes idéias estão sendo arquivadas porque não podem encontrar esse financiamento”, acrescentando ainda que “precisamos fazer a ponte por trazer investidores de volta”, e “tornar a Suíça aberta e fácil para as empresas investirem em projetos blockchain."