Presidente da Associação do Vale Cripto: Suíça deve ser 'aberta e fácil' para os investidores da blockchain

O recém-eleito presidente da Associação do Vale do Cripto suíça (CVA, na sigla em inglês), Daniel Haudenschild, declarou que o mercado de urso das criptos prejudicou a posição da Suíça como centro global de blockchain. Haudenschild fez seus comentários em uma entrevista para a grande mídia local Swissinfo em 4 de fevereiro.

Haudenschild assumiu oficialmente o cargo de presidente da CVA em 31 de janeiro, afirmando na entrevista que pretende "curar as divisões para evitar que a Suíça perca mais terreno para outros países" ao atrair projetos de blockchain. De acordo com a SwissInfo, sua eleição “seguiu-se a um período de agitação que viu alegações de especulação e práticas afiadas”.

Haudenschild disse à publicação que o mercado de baixa da cripto criou uma "lacuna de capital de bilhões de francos". Ele disse aos repórteres que "grandes idéias estão sendo arquivadas porque não conseguem encontrar esse financiamento", notando ainda, "precisamos colmatar isso". trazendo de volta os investidores.”

O novo presidente da CVA também descreveu algumas das mudanças que ele pretende trazer para a associação. Nomeadamente, ele afirmou que "haverá uma abordagem de tolerância zero para pessoas que tentem se enriquecer às custas da marca CVA."

Durante a entrevista, o presidente da associação argumentou que a organização havia parado de fazer lobby no parlamento suíço e que o país como um todo havia parado de atrair capital de risco, empreendedores, habilidades e talentos para o seu chamado vale cripto. Ele então argumentou que a CVA precisa garantir que a Suíça seja o melhor lugar para fazer negócios para empresas blockchain e declarar:

“Se não fizermos isso, o capital e o talento têm pernas e já vemos que ele se vai. Eu não consegui juntar cinco capitalistas de risco em torno de uma mesa em [sic] vale cripto agora. Eles se mudaram para Londres, Amsterdã e Berlim.”

Segundo ele, os investidores já veem Malta e Jersey como melhores jurisdições para fundar projetos blockchain, e que países como Austrália e Liechtenstein estão avançando com a regulamentação. Haudenschild afirmou:

“Precisamos de uma mudança em nossas leis e [sic] que exija mais interação com legisladores e reguladores. Precisamos tornar a Suíça aberta e fácil para as empresas investirem em projetos de blockchain”.

Como a Cointelegraph informou recentemente, Haudenschild inesperadamente renunciou ao cargo de CEO da unidade de consultoria de blockchain da empresa estatal suíça de telecomunicações Swisscom, em janeiro.
Além disso, recentemente foram divulgadas notícias de que, apesar do mercado de baixa, o número de empresas relacionadas à blockchain na Suíça e em Liechtenstein continuou a aumentar.