Relatório aponta aumento considerável e presença feminina na indústria de criptomoedas atinge novo recorde

A indústria de blockchain e criptomoedas sempre foi um universo majoritariamente masculino, mas parece que aos poucos este quadro está mudando - pelo menos é o que apontam números divulgados pelo site Coin Dance. Segundo relatório da página, o número de mulheres relacionadas às criptos - como investidoras ou profissionais da área - triplicou, passando de 3 para 9,1%. 

A participação das mulheres pode parecer pequena em 9,1%, mas o número é um grande avanço, pois representa crescimento de 300% em relação ao último ano - em que as mulheres do Bitcoinhttps://br.cointelegraph.com/bitcoin-price-index eram apenas 3% de todos os usuários.

O avanço na adoção e popularização ainda está longe de atingir os níveis do fim de 2017, mas o aumento da presença das mulheres no mercado dá indícios de que o mercado está amadurecendo. Mulheres experientes estão encontrando casos de uso como reserva de valor, método de pagamento e método bancário alternativo.

Se o ano de 2018 assistiu a uma ligeira queda no número de mulheres em cargos de liderança, em contrapartida com a alta de todos os tempos em 2017, quando elas compunham 6,4% dos CEOs da Fortune 500, há um número crescente de mulheres presentes nos membros de conselho de empresas da lista, com mais de 22% dos lugares sendo ocupados por elas. 

De campeãs de longa data como Amber Baldet, Meltem Demirors e Connie Gallippi, a pesos-pesados como Elizabeth Stark, da Lightning Network, mais mulheres estão participando - e liderando - a conversa.

É possível que o aumento no interesse das mulheres pelo Bitcoin também tenha sido ajudado pela aceitação mais ampla da tecnologia blockchain pelas grandes empresas. Não é mais um espaço não-regulamentado e "selvagem" se marcas como Microsoft e JPMorgan estão envolvidas de alguma forma.

Em seguida, há mais mulheres na indústria de Blockchain em geral, desde a gerente geral da IBM Blockchain, Marie Wieck, até a vice-presidente sênior de desenvolvimento corporativo da Ripple, Kahina Van Dyke.

Em entrevista ao Cointelegraph, a diretora do projeto Hyperledger, Marta Piekarska, falou sobre os desafios de se construir uma carreira em Blockchain num ambiente majoritariamente masculino e como a presença feminina neste universo está intimamente relacionada à idéia principal do movimento, de criar uma rede sem discriminação, democrático e sem barreiras.