Banco da China junta-se a nova plataforma blockchain para transações imobiliárias

A empresa de desenvolvimento de propriedades New World Development e o Instituto de Pesquisa em Ciência e Tecnologia Aplicada de Hong Kong (ASTRI) lançarão em conjunto uma plataforma blockchain para compradores de imóveis, sendo o Banco da China o primeiro usuário. A notícia foi anunciada pela agência de notícias local Standard, em 20 de fevereiro.

A plataforma supostamente pretende substituir as operações burocráticas - como assinar o Acordo Provisório de Venda e Compra ou um pedido de hipoteca - com autorização digital. Isso supostamente permitirá que os usuários enviem o contrato provisório autorizado, criptografado e assinado digitalmente pelo comprador para bancos selecionados.

Estima-se que a integração da tecnologia de contabilidade distribuída (DLT) nos processos internos das organizações ajude a reduzir os custos operacionais dos bancos em 15 a 60%, enquanto a própria plataforma espera ver um aumento no número de usuários.

O CEO da ASTRI, Hugh Chow, afirmou que a DLT poderia remodelar as operações do mercado imobiliário, resultando em procedimentos de compra de propriedade eficientes e flexíveis, enquanto o HKMA argumenta que a DLT "permite que todos [...] os usuários do ecossistema compartilhem informações de clientes e históricos de transações com segurança e uma infraestrutura de dados distribuída, sem comprometer a privacidade do cliente ou informações comerciais confidenciais."

Em agosto passado, o Bank of China - um dos quatro maiores bancos estatais da China - fez uma parceria com a China UnionPay (CUP), empresa de serviços financeiros, para explorar conjuntamente aplicações de tecnologia blockchain para sistemas de pagamento. Dentro da iniciativa, a CUP foi criada para construir uma porta unificada para serviços financeiros integrados móveis, onde os portadores de cartões poderão usar um código QR para gastar, transferir e negociar em um aplicativo de pagamento em nuvem.

Em janeiro, a organização bancária auto-reguladora da China, a China Banking Association (CBA), anunciou que lançará uma plataforma baseada em blockchain para melhorar a eficiência em todo o setor. O projeto, formalmente apelidado de “Guiding Opinions on Rural Service Revitalization of Financial Services”, visa usar o blockchain para direcionar o financiamento ao comércio, transações e outros serviços financeiros.

A China vem adotando ativamente a tecnologia blockchain em vários setores. Recentemente, o governo do país emitiu as “Diretrizes para a Revitalização dos Serviços Rurais de Serviços Financeiros”. A nova estrutura visa usar tecnologias emergentes como blockchain para “melhorar os níveis de identificação, monitoramento, alerta precoce e descarte de riscos de crédito agrícola”.