Corrida para ser o primeiro "criptopaís" do mundo

O pequeno país europeu da Estônia pretende tornar-se o primeiro criptopaís do mundo. O país já está no meio do caminho de digitalizar seus serviços governamentais usando a tecnologia Blockchain, a tecnologia por trás de moedas digitais como o Bitcoin.

O projeto de digitalização do governo da Estônia atingiu um novo nível em 2014, com o programa de residência eletrônica do governo. Sob a iniciativa, qualquer indivíduo em todo o mundo pode apresentar um requerimento on-line para se tornar um cidadão virtual estoniano. Como cidadão digital, ele pode acessar as mesmas plataformas on-line em que a economia física da Estônia se baseia e os mesmos serviços públicos on-line que os nacionais estonianos usam.

A adoção do Blockchain também permitiu que a Estônia apresentasse um sistema de votação on-line durante as eleições nacionais. No entanto, apenas os residentes físicos podem votar usando o sistema. O país também está envolvido em vários projetos de serviços públicos que são geridos pelo Blockchain, incluindo serviços de saúde e a orginalmente planejada moeda digital própria.

Outros desdobramentos do Blockchain em todo o mundo

Além da Estônia, vários países do mundo também estão adotando o Blockchain em aplicações do setor público, sendo o mais recente membro da UE a enfrentar a mesma posição a Eslovênia.

No Reino Unido, o governo está atualmente fazendo o piloto de um sistema baseado em Blockchain para o pagamento de reclamantes de benefícios para a saúde. Na Rússia, Vitalik Buterin assinou um acordo com um banco estatal russo para a criação de um sistema nacional especial denominado Ethereum Russia.

O governo da China, entretanto, desenvolveu um protótipo de uma criptomoeda nacional prospectiva no país desde junho de 2017. Em setembro, a China decidiu regulamentar melhor as ICOs banindo-as e eventualmente, considerando o licenciamento como uma opção na sequência.

Em seu relatório, a ciberadvogada da Universidade de Georgetown, Dra. Clare Sullivan, afirmou que o governo da Austrália está estudando maneiras de substituir seus bancos de dados de passaportes e certidões de nascimento em um único sistema baseado em Blockchain.

"Não são necessariamente preocupações com a segurança cibernética que impediram o aumento da digitalização dos serviços governamentais até este ponto, embora o Blockchain seja realmente muito mais seguro do que os sistemas existentes. Em vez disso, tem sido a importância dos protocolos de "know-your-customer" - a necessidade de governos, bancos e outras instituições verificar as identidades dos indivíduos usando documentos de identificação física e interações pessoais".