Governo filipino autorizará os primeiros negócios de cripto do país em uma zona econômica especial

O governo filipino permitirá que 10 empresas de Blockchain e criptomoeda operem na Zona Econômica de Cagayan, informou a Reuters em 25 de abril.

As empresas serão supostamente as primeiras empresas relacionadas a blockchain e criptos a operar legalmente nas Filipinas depois que a Autoridade da Zona Econômica de Cagayan (CEZA) estabeleceu um centro fintech com o objetivo de criar um “Vale do Silício” asiático. A CEZA é uma empresa estatal que administra a Zona Econômica Especial de Cagayan e a Freeport.

O chefe do CEZA, Raul Lambino, declarou que eles permitirão casas de câmbio de criptomoedas, mineração e Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs):

“Estamos prestes a licenciar 10 plataformas para troca de criptomoedas. Elas são japonesas, de Hong Kong, malaias e coreanas. Elas podem entrar na mineração com criptomoedas, Ofertas Iniciais de Moedas ou podem se envolver com câmbio.”

Lambino ressaltou que as transações de troca entre criptografia e fiduciário-para-cripto devem ser realizadas offshore, a fim de evitar o desrespeito à lei filipina.

Espera-se que as empresas gerem emprego em troca dos benefícios fiscais que receberão. O CEZA também exigirá que as empresas invistam pelo menos US $ 1 milhão em dois anos e paguem até US $ 100.000 em taxas de licenciamento. Lambino acrescentou que o CEZA também está procurando construir uma universidade de Blockchain e fintech para fornecer funcionários qualificados para as novas empresas.

No início deste mês, a Comissão de Valores Mobiliários (SEC) das Filipinas emitiu um comunicado sobre os contratos de criptomoeda de mineração em nuvem, exigindo que fossem classificados como títulos.