Jutta Steiner, CEO da Parity: nova função Ethereum teria impedido o congelamento da Parity

Jutta Steiner, CEO da Parity, disse que a nova e controversa função Create2 para Ethereum (ETH) teria impedido o congelamento multisig da Parity. Steiner falou sobre o assunto durante uma entrevista com a Fortune publicada em 5 de março.

Como o Cointelegraph relatou em novembro de 2017, um usuário “acidentalmente matou” a biblioteca multisig da Parity ativando uma vulnerabilidade para se tornar o dono da biblioteca e, em seguida, autodestruindo-a. O incidente envolveu 587 carteiras que mantinham 513.774,16 em Ethereum, na época equivalente a cerca de US$ 152 milhões e cerca de US$ 65 milhões hoje.

A Create2, a nova função adicionada à Ethereum com a atualização Constantinopla, que supostamente introduz um novo vetor de ataque - uma alegação já negada pelo cofundador da Ethereum, Vitalik Buterin - poderia ter evitado esse ataque, de acordo com Steiner. Como ela observou durante a entrevista:

"Se a funcionalidade Create2 existisse à época, basicamente não haveria qualquer vulnerabilidade".

Essa função também concede à Parity um novo argumento para ser usado ao tentar convencer a comunidade a oferecer suporte a um fork que reverta o alegado hack acidental.

No final de abril, uma votação para reverter o incidente da Parity e descongelar as carteiras de multisignature terminou com 55% dos votos optando por não revertê-la. A votação também foi acompanhada por uma esmagadora controvérsia na comunidade da Ethereum, já que os participantes com grandes quantidades de ETH tiveram a distinta vantagem de influenciar a direção da votação devido ao processo de participação de voto.

No entanto, como Steiner afirma agora, desde que o ferramental foi corrigido, "não seria a coisa certa a fazer para corrigir os problemas que surgiram quando não tínhamos o ferramental?"

Um relatório recente da TrustNodes aponta que a plataforma de contrato inteligente da Edgeware baseada no Polkadot, que é uma plataforma semelhante à Ethereum e capaz de executar contratos inteligentes da Ethereum e DApps, também pode ser útil para a Parity. A corrente é prova de participação (PoS), o que significa que novas moedas nativas, chamadas Edge, são cunhadas com participações.

Como o processo de cunhagem do projeto para seu token nativo pode ser feito bloqueando a ETH em um contrato inteligente, a TrustNodes observa que os fundos bloqueados acidentalmente da Parity podem ser qualificados para o contrato de bloqueio da transação. Através da distribuição inicial de bloqueio, três por cento da oferta é reportada para ser entregue à Parity.

De acordo com os cálculos da TrustNodes, os fundos bloqueados emparelhados com os tokens "dots" mantidos pela Parity (também elegíveis para a participação) concederiam à empresa cerca de 10% de toda a oferta. Também recebendo recompensas na conta, a TrustNodes estima que a porcentagem real das participações da Parity aumentaria.

O Polkadot é um framework de blockchain destinado a criar blockchains escaláveis ​​e interoperáveis ​​através da ligação entre muitos tipos de blockchains, e está previsto para ser lançado no final do ano corrente. O protocolo foi uma das maiores partes afetadas no congelamento de fundos de Parity de novembro de 2017.