Um mega investidor estava por trás da disparada do Bitcoin em 2017, afirmam pesquisadores

Pesquisadores elevaram o tom de suas alegações de manipulação de mercado no inverno de 2017, afirmando agora que um único mega investidor (conhecido como "baleia") foi responsável pelo aumento histórico de preços do Bitcoin. O desdobramento foi relatado pela Bloomberg em 4 de novembro.

John M. Griffin e Amin Shams - das universidades do Texas e Ohio, respectivamente - atualizaram sua pesquisa anterior, que sustentou que o mau comportamento do mercado estava supostamente por trás da disparada do Bitcoin para uma alta histórica de US$ 20.000 em dezembro de 2017.

"Momento de clarividencia do mercado" ou manipulação

A análise de Griffin e Sham, publicada pela primeira vez em um artigo de pesquisa em junho de 2018, argumentou que os padrões de transação na blockchain sugeriam que o Tether havia sido usado para fornecer suporte de preços e manipular o mercado de Bitcoin:

“As compras com o Tether são cronometradas após desacelerações do mercado e resultam em aumentos consideráveis ​​nos preços do Bitcoin. O fluxo é atribuível a uma entidade, aglomerados abaixo dos preços redondos, induz autocorrelações assimétricas no Bitcoin e sugere reservas insuficientes de Tether antes do final do mês.”

Em vez de indicar a demanda de investidores em dinheiro, eles argumentaram que esses padrões estavam alinhados com uma "hipótese baseada na oferta de dinheiro digital não suportado, inflando os preços das criptomoedas".

Em uma atualização de suas pesquisas anteriores, os acadêmicos estão intensificando seu argumento, que deve ser publicado formalmente em um artigo futuro revisado por pares para o Journal of Finance.

Eles supostamente argumentam que uma análise das transações de Tether e Bitcoin de 1º de março de 2017 a 31 de março de 2018 consolida sua visão de que uma única entidade - realizando transações através da empresa irmã de Tether, a exchange de criptomoedas Bitfinex - está por trás da manipulação:

"Esse padrão está presente apenas nos períodos após a impressão do Tether, conduzido pela conta de um único grande corretor e não observado por outras exchanges."

Os acadêmicos prosseguem, afirmando que:

“Simulações mostram que é muito improvável que esses padrões se devam ao acaso. Esse grande player ou entidade exibiu um timing de clarividência do mercado ou exerceu um impacto extremamente grande sobre o Bitcoin, que não é observado nos fluxos agregados de outros pequenos traders.”

Bitfinex nega tais afirmações

O conselheiro geral da Tether, Stuart Hoegner, negou as afirmações dos acadêmicos, divulgando uma declaração de que sua pesquisa é "falha fundamentalmente" e deriva de um conjunto de dados insuficiente.

Ele alegou ainda que a pesquisa foi motivada a reforçar uma "ação parasitária" contra Tether, Bitfinex e o operador desta última, a iFinex.