Mercados de Petróleo podem economizar 30% com o uso de blockchain, diz CEO da Gumbo

Operadoras globais de petróleo podem economizar pelo menos 30% usando blockchain em sua infraestrutura, de acordo com dados da startup de blockchain Data Gumbo.

Andrew Bruce, CEO da startup norte-americana de blockchain Data Gumbo, discutiu a execução automatizada de contratos com blockchain na indústria de petróleo na Bloomberg Commodities Edge em 19 de julho.

Quando questionado sobre quanto os participantes da indústria petrolífera podem economizar implementando aplicações de blockchain, como a execução de contratos inteligentes baseados na tecnologia em vez de contratos tradicionais de papel, Bruce argumentou que tais soluções poderiam economizar pelo menos 30%, referindo-se a estudos internos da empresa. De acordo com dados da Data Gumbo, o mercado de petróleo e gás foi responsável por US$ 2,6 trilhões até 2017.

Em maio de 2019, a Data Gumbo captou US$ 6 milhões das principais empresas globais de energia, incluindo a Equinor Technology Venture, subsidiária da Equinor, e a Saudi Aramco Energy Ventures, braço da Arábia Saudita. Com um financiamento total de até US$ 9,3 milhões, os investidores esperam que a empresa melhore as cadeias de suprimento de petróleo e gás, eliminando disputas e entregando transações automatizadas, bem como reduzindo os tempos de reconciliação na cadeia de fornecimento.

Em 18 de Julho, co-fundador da gigante americana de tecnologia Apple, Steve Wozniak anunciou investimento na Efforce, uma nova empresa de economia de energia habilitados para blockchain baseada em Malta.

Anteriormente, a Cointelegraph informou que a Philip Morris estimou o potencial de economia que pode ser obtida com blockchain em US$ 20 milhões. O chefe global de inovação tecnológica da Philip Morris disse que o trabalho manual e os riscos de falsificação associados acabam custando à indústria e aos governos US$ 100 milhões por ano.