"Não é muito prática" - críticos dizem que doações políticas em cripto são uma jogada de marketing

Como um dos dois únicos aspirantes a primárias do Partido Democratas que aceitam cripto retirando sua candidatura, os comentaristas políticos aproveitaram o momento para pesquisar sobre a tendência da campanha política com cripto.

Uma reportagem publicada pelo site de mídia Fast Company em 10 de julho considerou a retirada da candidatura presidencial de Eric Swalwell, que tinha foco em seu papel como um dos dois pioneiros democratas dos EUA a ter aberto sua campanha para doações em cripto.

Diferentemente da moeda fiduciária, o Bitcoin (BTC) foi classificado pela Comissão Eleitoral Federal (FEC, na sigla em inglês) como “espécie” quando se trata de divulgação de doações - exatamente como seria uma entrega de pizza para um escritório de campanha.

Em uma provocação irônica, Daniel Weiner - um conselheiro sênior do Brennan Center for Justice, com experiência prévia na FEC - descartou a viabilidade de fundos denominados em cripto, dizendo aos repórteres:

“Da mesma forma, nenhuma grande campanha presidencial aceita doações em galinhas vivas. Porque isso não é muito prático para eles.”

Cutucadas à parte, ele ressaltou ainda que as criptomoedas continuam a representar a espinhosa questão do anonimato para vigilantes eleitorais como a FEC.

Adav Noti - um advogado que supostamente supervisionava a Divisão de Políticas da FEC enquanto a comissão decidia sobre como fazer doações em BTC em 2014 - ecoou a perspectiva de Weiner, alegando que, embora a blockchain em si possa ser imutável e apoiar o rastreamento de uma determinada moeda:

“Com um cartão de crédito ou de débito, você quase sempre pode chegar a um ser humano de uma forma ou de outra. Com a criptomoeda, você pode chegar rapidamente a um verdadeiro beco sem saída."

Dados os rigorosos requisitos de divulgação de doações de campanha e outras restrições - como o limite de US$ 2.800 para 2020 e exclusões jurisdicionais - uma certa complexidade aparentemente permanece quando se trata de aumentar a transparência do financiamento eleitoral com a cripto.

Elizabeth White - CEO da empresa blockchain The White Company, que forneceu tecnologia à extinta campanha de Salwell - reconheceu que os maus atores sempre tentarão contornar as regras, com os repórteres apontando para o uso de VPN e de codinomes como um problema em potencial.

A volatilidade também pode contribuir para o suposto incômodo de aceitar a cripto - com a chance de uma moeda aumentar de valor acima do limite de contribuição estipulado, mesmo dentro dos 15 minutos que um processador de pagamentos leva para verificar a doação, tornando-se invalidada.

Espectadores como Weiner reduziram, assim, a iniciativa de aceitar a cripto por um conjunto de candidatos em todo o espectro político como pouco mais do que um truque de marketing.

No entanto, Andrew Yang, que agora é o candidato da cripto e ainda está na corrida, criou uma reputação que é consistente com sua adoção do Bitcoin - sua história de iniciativas pró-tecnologia na Câmara, que lhe valeu o apelido de "O Rei do Snapchat no Congresso" em 2016.

E enquanto a importante candidata a 2020 e senadora Elizabeth Warren continua sendo uma crítica convicta da cripto, libertários como Adam Kokesh e John McAfee têm sólidos fundamentos ideológicos para promover a tecnologia. Mesmo se o último, figura controversa foi forçada a admitir que ele pode ter que executar qualquer campanha potencial de um barco em águas internacionais, dada uma alegada acusação pelas autoridades fiscais dos EUA.