'Nenhum sinal do Petro por aqui': Mistério e Confusão Invadem a 'Revolução' Criptográfica da Venezuela

A Reuters publicou hoje, 30 de agosto, um relatório investigativo sobre a criptomoeda nacional apoiada pelo petróleo da Venezuela, a Petro (PTR), tentando acertar as alegações do governo com fatos e evidências do histórico de transações da Petro até o momento.

A Reuters enviou repórteres para o vilarejo central de Atapirire, na Venezuela, que fica no coração do território de 380 quilômetros quadrados que o presidente disse que pode fornecer os 5 bilhões de barris de petróleo necessários para apoiar a nova criptomoeda.

Em meio à hiperinflação desenfreada na economia venezuelana, o presidente Maduro introduziu na semana passada uma moeda fiduciária renomeada - o bolívar soberano, que terá cinco zeros a menos que seu antecessor em dificuldade, o Bolívar Fuerte (VEF). A nova moeda, por sua vez, foi atrelada à nascente Petro, avaliada em cerca de US $ 66 - o preço de um barril de petróleo venezuelano.

O especialista em política energética nascido na Venezuela, Francisco Monaldi, disse à Reuters que o território supostamente rico em petróleo "carece de infra-estrutura crucial" - incluindo estradas, dutos e instalações de geração de energia - para extrair as reservas. Monaldi observou que "não há plano de investimento para essa área e não há razão para pensar que ela seria desenvolvida antes de outros campos com melhores condições".

Investigadores da Reuters afirmam que a área no terreno mostrou poucos sinais da atividade da indústria petrolífera, com apenas equipamentos dispersos e desgastados para serem vistos.

O artigo também se refere a um recente artigo de opinião do ex-ministro do Petróleo, Rafael Ramirez, que estimou que a recuperação da área custaria pelo menos US $ 20 bilhões - uma soma astronômica para a estatal PDVSA. Ramirez teria escrito que "o petro está sendo definido em um valor arbitrário, que só existe na imaginação do governo".

Como observa a Reuters, a Petro atualmente não comercializa em nenhuma das principais bolsas internacionais de criptomoedas. A Bitfinex, com sede em Hong Kong, disse à Reuters que proibiu oficialmente o token de sua plataforma após as sanções dos EUA. Outras bolsas - incluindo Coinbase, Bittrex e Kraken - recusaram-se a comentar por que escolheram não listar o Petro.

Das 16 bolsas menores que dizem apoiar o comércio da Petro, a Reuters não conseguiu discernir qualquer presença na Internet em sete delas. Sete outros supostamente não responderam aos pedidos de comentário. Somente a Coinsecure, sediada na Índia, se comprometeu publicamente a apoiar o petro em troca de royalties da Venezuela.

A Reuters também empreendeu um esforço para investigar declarações oficiais do presidente Maduro de que as vendas da Petro arrecadaram US $ 3,3 bilhões até o momento. De acordo com o white paper da Petro, os tokens NEM desenvolvidos em Cingapura servem como um sinal “preliminar” para a iniciativa, que depois será trocado pela Petros.

Segundo a Reuters, os registros de março mostram que uma conta NEM supostamente operada pelo governo venezuelano emitiu 82,4 milhões de tokens como parte de uma ICO que foi anunciada pela primeira vez no final de fevereiro. Cerca de 2.300 desses tokens foram transferidos para 200 contas anônimas no início de maio, com um valor total de cerca de US $ 150.000, com base nos cálculos da Reuters.

Em abril, os registros mostram que uma única conta NEM emitiu um total de 13 milhões de tokens para cerca de uma dúzia de contas, que a Reuters calcula que poderiam ter levantado cerca de US $ 850 milhões. Embora a emissão em questão tenha tido como alvo “grandes investidores”, ninguém teria declarado publicamente que havia feito um investimento dessa escala no Petro.

Tom Robinson, da firma britânica Elliptic, disse à Reuters que:

“Isso certamente não se parece com um ICO típico, devido ao baixo nível de atividade das transações. Não encontramos nenhuma evidência de que alguém tenha recebido um petro nem tenha sido negociado ativamente em nenhuma bolsa.”

O ministro do Gabinete, Hugbel Roa, disse à Reuters na semana passada que a tecnologia por trás da moeda ainda está em desenvolvimento e que "ninguém foi capaz de fazer uso do Petro ... e nenhum recurso foi recebido".

À frente das investigações da Reuters, vozes significativas da comunidade de criptos venezuelana, neste mês, criticaram o petro como pouco mais que um "golpe" opaco apoiado por uma entidade centralizada e endividada.