Presidente do Banco Central do Japão diz que não há nenhuma demanda por moeda digital do Estado

Haruhiko Kuroda, presidente do Banco do Japão (BOJ), disse que não há demanda pública por uma moeda digital de banco central (CBDC) no país.

Durante seu discurso no simpósio do 35º aniversário do Centro de Sistemas de Informação da Indústria Financeira em 4 de dezembro, Kuroda abordou os desafios impostos pelas stablecoins globais privadas e CBDCs. Ele concluiu que, atualmente, não há razão para emitir uma CBDC no Japão:

“No Japão, a quantidade de caixa pendente ainda está aumentando e não parece que exista uma demanda por uma CBDC da parte do público no momento. Porém, o Banco do Japão vem realizando pesquisas técnicas e jurídicas sobre esse assunto, a fim de permanecer pronto quando a necessidade da CBDC 13 puder surgir no futuro. O Banco também precisa estudar o impacto das CBDCs na intermediação financeira.”

O BOJ promove moedas digitais privadas

Enquanto o governador do banco central não vê atualmente um motivo para emitir sua própria moeda digital, ele admite que "existe uma grande variedade de dinheiro digital privado denominado em ienes japoneses". O banco incentiva o uso dessas moedas digitais privadas e sua melhoria, com o objetivo de aproximar seus recursos do que é esperado de uma CBDC.

Uma estratégia que o banco está adotando para promover esses sistemas é aumentar o número de usuários de pagamento sem dinheiro e garantir a interoperabilidade entre vários provedores de serviços de pagamento.

Em outubro, a instituição introduziu um programa de recompensa pontual para clientes que usem pagamentos sem dinheiro para melhorar a produtividade de negócios relevantes.

Não haverá stablecoin até que os riscos estejam controlados

Ainda assim, quando se trata de stablecoins globais como o Libra, do Facebook, Kuroda disse que o banco tomaria uma abordagem mais cautelosa. Ele disse:

“Stablecoins globais (GSCs) como o Libra pode oferecer serviços de pagamento convenientes para muitos usuários, caso a segurança jurídica e a estabilidade técnica sejam garantidas. No entanto, os usuários não podem desfrutar continuamente os benefícios das GSCs, a menos que vários desafios e riscos relacionados à lavagem de dinheiro, cibersegurança, proteção de dados e proteção ao consumidor e ao investidor sejam abordados de forma adequada.”

Kuroda também disse que nenhuma GSC deve iniciar suas operações até que desafios e riscos legais, regulatórios e de supervisão tenham sido abordados. Ele observou que é essencial que as autoridades em todo o mundo cooperem e mantenham a estabilidade financeira com livre mobilidade de capital em um mundo com stablecoins.

Enquanto isso, países do mundo todo estão pesquisando cada vez mais sobre moedas digitais públicas e privadas. Como o Cointelegraph informou na terça-feira, a startup blockchain LifeLabs anunciou que está desenvolvendo uma stablecoin apoiada no dólar chamada BVI ~ LIFE em parceria com as Ilhas Virgens Britânicas.