Novo protocolo DLT é escalável, seguro e sem consenso, afirmam pesquisadores

Pesquisadores desenvolveram um novo algoritmo para protocolos de ledger distribuído, que eles afirmam ser seguro sem o alto consumo de energia da mineração de Bitcoin (BTC). 

O algoritmo, chamado "Scalable Byzantine Reliable Broadcast” (algo como “Transmissão confiável escalável bizantina"), foi descrito em um artigo publicado pela primeira vez em agosto deste ano e apresentado em 16 de outubro no Simpósio Internacional de Computação Distribuída (DISC 2019) em Budapeste, Hungria.

Os autores do artigo, Rachid Guerraoui, Petr Kuznetsov, Matteo Monti, Matej Pavlovic, Dragos-Adrian Seredinschi - baseados na Escola Politécnica Federal de Lausanne, Suíça - ganharam o prêmio de melhor artigo do DISC 2019 por suas pesquisas.

Uma nova maneira de lidar com sistemas Byzantine fault-tolerant

Em seu artigo, os autores distinguem seu protocolo dos sistemas Byzantine fault-tolerant (BFT) anteriores, observando que eles projetaram o algoritmo de forma a substituir quóruns por amostras estocásticas:

“Generalizamos a abstração de transmissão confiável Byzantine para o cenário probabilístico, permitindo que cada uma de suas propriedades seja violada com uma probabilidade arbitrariamente pequena e fixa. Alavancamos essas garantias relaxadas em um protocolo em que substituímos os quóruns por amostras estocásticas. Comparado aos quóruns, as amostras são significativamente menores em tamanho, levando a um design mais escalável.”

O artigo prossegue descrevendo um “algoritmo baseado em fofocas” - uma transmissão probabilística para garantir a validade e a totalidade de todas as mensagens transmitidas no sistema, nas quais os links são recíprocos e não direcionados.

Eles são distintos e mais eficientes do que os protocolos de transmissão Byzantine existentes, que se baseiam em sistemas de quorum com "fortes garantias de interseção", resultando em "complexidade linear de computação e comunicação por processo".

Relatórios enquadram novo algoritmo em termos de eficiência energética

Como indicam os relatos da mídia sobre o trabalho dos pesquisadores, a busca de algoritmos alternativos, escaláveis ​​e seguros para sistemas de ledger distribuídos é frequentemente interpretada no âmbito de debates sobre o alto consumo de energia envolvido na mineração de Bitcoin com uso intensivo de computação devido a seu algoritmo subjacente de Prova de Trabalho.

Um estudo realizado em junho constatou que três quartos da atividade de mineração de Bitcoin é alimentada por fontes de energia renováveis.

Em setembro, novos dados indicaram que o consumo de energia da rede do Bitcoin estava se tornando mais eficiente, mesmo com a taxa de hash continuando a bater recordes.

Em julho de 2019, o consumo era de 69,79 terawatt-hora por ano. Um ano antes, o número havia sido de 71,12, apesar de uma taxa de hash quase 60% menor.

Enquanto isso, gigantes de hardware de mineração, como a Bitmainprocuram desenvolver novas soluções com maiores capacidades de processamento e menores demandas de energia.