Na Venezuela, homem usa Bitcoin para driblar hiperinflação e pagar pelo nascimento do filho

José Rafael Peña Gholam, um usuário de criptomoedas da Venezuela contou em relato divulgado no último dia 23 no site Longhash sobre como pagou os custos do nascimento de seu filho com Bitcoin.

No depoimento, ele também falou sobre os benefícios dos ativos digitais num país que apresenta uma profunda crise econômica. 

Os planos da Venezuela de se libertar do domínio do dólar americano levaram a uma variedade de casos de uso de criptomoedas entre seus moradores.

Embora a implementação dos ativos digitais na Venezuela ainda esteja em seu estágio inicial, o país está rapidamente se tornando avançado no quesito criptomoedas em relação aos seus vizinhos de América do Sul.

Através do uso das criptomoedas no setor de saúde, um residente venezuelano testemunhou recentemente os imensos benefícios que vieram com o uso do Bitcoin para pagar as contas do nascimento de seu filho.

Quando soube que se tornaria pai, José analisou o custo para a realização do parto numa instituição privada. Os gastos ficariam entre US$ 1.500 e US$ 2.500 para uma cesariana.

José, cujo filho Adrián nasceu em Caracas, em 30 de setembro de 2019, explicou que o Bitcoin foi em grande parte a razão pela qual as contas médicas de seu filho foram pagas rapidamente e de uma só vez.

Gholam usou seu interesse no Bitcoin como uma arma financeira pessoal contra a hiperinflação da moeda do país - o Bolivar Venezuelano (VES) - e deu uma pequena visão da intensidade da inflação que ocorre na Venezuela. 

Citando o Índice Bloomberg, ele disse:

“Em janeiro de 2019 um café com leite custava 450 VES. Em setembro, o mesmo café era 14.000 VES ”.

Em consideração a esse fator, José sabia que as despesas financeiras poderiam estar muito além de seu alcance no momento do nascimento de seu filho, se ele mantivesse seu dinheiro em VES.

José revelou que a maioria das empresas venezuelanas, em uma tentativa de evitar a crise inflacionária, começaram a cobrar dos clientes seus bens e serviços em dólares americanos. 

Segundo José, a taxa de câmbio VES/USD é usada para realizar o pagamento ou os clientes podem pagar diretamente com os dólares americanos. O venezuelano complementou:

“Eu poderia ter colocado minhas economias em dólares, não em Bitcoin, mas nos últimos anos, o Bitcoin também ofereceu retornos significativos. Imagine, por exemplo, que eu só tinha VES. É bem possível que, devido à hiperinflação, os custos médicos de hoje em VES tenham excedido minhas economias."

Falando sobre os efeitos da volatilidade do Bitcoin, José observou que o preço do Bitcoin caiu de US$ 10.000 para US$ 8.000 durante a semana em que ele teve que pagar pelo nascimento de seu filho.

Como não houve uma recuperação no preço, ele acabou pagando as contas a uma taxa de câmbio de aproximadamente US$ 8.200 por 1 BTC.

As declarações finais de José transmitiram a mensagem de que, embora o Bitcoin possa parecer não muito atrativo em países com estruturas econômicas mais fortes, sua experiência é a prova de que o potencial do Bitcoin é muito mais evidente em países em conflito, como a Venezuela.

Segundo especialistas, uma das principais características do Bitcoin é atuar como reserva de valor no longo prazo. Como publicou o Cointelegraph, um novo modelo de análise de preço mostra que o ativo digital deve atingir US$ 15.000 antes de maio de 2020.