Banco Central de Mianmar adverte que o público não deve usar cripto após série de golpes

O Banco Central de Mianmar pediu aos consumidores que parem de negociar com criptomoedas em meio a temores de que usuários inexperientes possam perder dinheiro, informou o jornal Irrawaddy em 3 de maio.

Em um comunicado obtido pelo site, o banco central informou que recebeu denúncias de vários golpes direcionados a aqueles que não entendem de moedas virtuais.

Autoridades de Mianmar, também conhecida como Birmânia, dizem que Bitcoin (BTC,) Ether (ETH) e Litecoin (LTC) estão sendo negociados no país através de perfis no Facebook, bem como sites.

De acordo com o relatório, o banco central enfatizou que o uso da cripto não é autorizado em Mianmar - no entanto, o país não possui nenhum mecanismo ou estrutura legal para regulamentar ou impedir seu uso.

U Than Lwin, ex-vice-presidente do banco central, disse ao The Irrawaddy que a volatilidade dos preços, a falta de proteção do consumidor e a dificuldade de tomar medidas legais foram três razões: “por que investir em criptomoedas deve ser evitado”.

“O preço é instável o tempo todo. Negociar criptomoedas pode resultar em perda de tudo o que você investiu nelas. É como um jogo de azar.

Em 2018, o Ministério de Assuntos Internos de Mianmar emitiu um aviso semelhante depois de receber relatos de que as pessoas que vivem em áreas rurais estavam sendo alvo de investimento por parte de promotores de cripto, porque eles estavam desinformados sobre o mercado.

No entanto, a posição do governo sobre o comércio de cripto não significa que o país também está evitando a blockchain, o suporte tecnológico da maioria das criptomoedas. No mês passado, os bancos centrais da Tailândia e Mianmar endossaram um sistema de remessas baseado em ETH projetado para enviar pagamentos entre os dois países.