Mais tentativas de trazer o comércio eletrônico para os dois bilhões de pessoas sem banco no mundo

Levar o comércio eletrônico para os sem banco parece estar ficando mais fácil à medida que o número de comerciantes que se envolvem com criptomoedas está aumentando. Da Overstock à Steam, Newegg à Edeka, muitos comerciantes estão mudando a experiência dos compradores globalmente alavancando a facilidade de uso da moeda digital.

Isto é parcialmente alimentado por um aumento no número de fornecedores que se registram com o BitPay. Esse serviço permite que os comerciantes aceitem Bitcoin, mas imediatamente sejam creditados em dinheiro, em vez de terem que lidar com a própria moeda digital volátil.

As coisas estão melhorando no lado do consumidor também, com o crescente número de cartões de débito baseados em criptomoedas. Isso torna possível gastar moeda digital nas lojas virtuais de comerciantes que não o aceitam diretamente, convertendo automaticamente o saldo de criptomoeda de um usuário para fiduciário e usando isso para pagar fornecedores.

Neste ambiente, há start-ups que procuram tornar as coisas ainda mais fáceis e mais baratas, eliminando o máximo de intermediários possível das transações de moeda digital. Até agora, empresas como TenX e Monaco foram as pioneiras na introdução de cartões de débito de criptomoedas que mudou a perspectiva de vários usuários sobre a facilidade de acesso às moedas digitais para o uso diário.

Tanto a Monaco quanto a TenX tornam usar as criptos mais fácil para os clientes, oferecendo um cartão de débito com várias moedas. Em vez de um cartão de débito Bitcoin, um cartão de débito Dash, e assim por diante. Tanto o Monaco quanto o TenX permitem aos usuários depositar várias criptomoedas e acessá-las com um único cartão de débito. Quando chega a hora de fazer uma compra, a quantidade apropriada de moeda digital é vendida instantaneamente e os fundos são transferidos para o comerciante de forma perfeita.

A Centra é outra start-up destinada a ajudar a trazer o comércio eletrônico para os não bancarizados. Oferece um cartão de débito multimoeda juntamente com uma plataforma para conectar compradores e vendedores em um ambiente de taxas baixas.

Outras tentativas foram feitas para reduzir as ineficiências transfronteiriças no espaço de remessas e diminuir o número de intermediários necessários no sistema bancário antigo. Ainda não está claro se esses serviços serão bem sucedidos em seus esforços. No entanto, é claro que quem quer que seja bem sucedido em tornar o comércio eletrônico disponível para um mundo onde mais de dois bilhões de pessoas não têm conta de banco receberão recompensas incomparáveis.


Siga-nos no Facebook