MIT Technology Review: Blockchain ficará normalizado em 2019

O MIT Technology Review publicou um artigo hoje, 2 de janeiro, argumentando que 2019 será o ano em que a blockchain se tornará mundana. O Review é uma revista independente, mas de propriedade integral do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (Massachusetts Institute of Technology - MIT) dos EUA.

O artigo dá uma visão geral lacônica de sua visão sobre a história recente da blockchain, afirmando que a tecnologia era "uma revolução que deveria disromper o sistema financeiro global" em 2017, mas que foi uma decepção em 2018 - à luz do declínio significativo nas avaliações de virtualmente todos os ativos e moedas cripto baseados em blockchain.

No entanto, o Review argumenta que, no ápice do novo ano, muitos “projetos inovadores ainda estão vivos e até perto de dar frutos”. Juntamente com vários planos de grandes corporações de lançar grandes projetos baseados em blockchain este ano, 2019 é assim, supostamente definido como "o ano em que a tecnologia blockchain finalmente se torna algo normal".

Como um exemplo da iminente da transformação do setor, a Review cita as próximas entradas de importantes jogadores de Wall Street, como a Intercontinental Exchange (ICE), proprietária da Bolsa de Valores de Nova York (NYSE), e a gigante de investimentos Fidelity no negócio de criptomoeda.

Mesmo com o declínio do hype em torno da blockchain, ele argumenta que suas ofertas de infraestrutura aprovada pelo regulador para cripto são um grande divisor de águas no setor, tornando-se mainstream.

Um outro exemplo, continua a Review, é o aprimoramento da tecnologia de contrato inteligente, que possibilitará seu uso em múltiplos contextos jurídicos - fazendo com que adágio cripto “o código é a lei” um passo mais próximo de se tornar uma realidade aceita.

O argumento final do artigo é que essa normalização da tecnologia e do setor implicará uma reformulação significativa da ideologia que deu origem ao primeiro ímpeto das criptomoedas e da blockchain. As raízes da cripto como um movimento antigoverno estão sendo derrubadas, afirma o artigo, pelo advento das criptomoedas nacionais - sejam elas a já lançada controversa criptomoeda apoiada pelo petróleo da Venezuela, o Petro, ou os planos de outros estados em suas próprias moedas apoiadas pelo Estado.

Outro exemplo dado é o endosso por parte da chefe do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, neste outono de explorar o caso das criptomoedas bancárias apoiadas pelos bancos centrais (CBDCs).

Quase um ano atrás, em meados de janeiro de 2018, a Cointelegraph publicou uma análise do calor que cercava a revolução blockchain - encapsulada pelas possibilidades lucrativas de empresas que usavam a tecnologia como uma palavra-chave em seu nome para lucrar com o mercado exagerado.