Membro do principal conselho político da China propõe plataforma nacional de negociação de cripto

Um membro do principal conselho consultivo político da China propôs a criação de uma bolsa nacional de criptomoeda e outros sistemas regulatórios em uma das duas sessões anuais dos principais órgãos legislativos e consultivos da China, informou a agência de notícias local, Lie Yun Wang, em 3 de março.

Wang Pengjie, membro da Conferência Consultiva Política do Povo Chinês (CCPPC), sugeriu que o Banco Popular da China (PBOC) e a Comissão Reguladora de Valores da China (CSRC) criassem um "sistema de aprovação" Blockchain e de gerenciamento de ativos digitais, bem como levantou a possibilidade de estabelecer uma plataforma de negociação de ativos digitais em nível nacional.

As observações de Pengjie vêm depois de uma recente sequência de proibições de criptos da China, indo de bloqueio de casas de câmbio estrangeiras ao banimento em setembro de 2017 das ofertas iniciais de moedas (ICO).

Pengjie abordou a crescente capitalização de mercado de ativos digitais como Ethereum (ETH), Bitcoin (BTC) e Litecoin (LTC), observando o fato que suas capitalizações de mercado excederam as do maior provedor de Internet da China, a Tencent, em janeiro de 2018 como motivo para a China prestar atenção às tecnologias baseadas em Blockchain. Ele também mencionou os regulamentos de criptomoedas da Coreia do Sul, e o fato de que a Nasdaq dos EUA  está considerando negociar futuros de Bitcoin como outros movimentos.

Pengjie mencionou as questões que o trabalho com Blockchain traz para a China, afirmando primeiro que a "falta de direitos de propriedade intelectual independentes maduros [...] não será bom para a segurança financeira da China no longo prazo". Ele também referenciou a falta de clareza em torno do status legal de criptomoeda, bem como a falta de conhecimento do consumidor que poderia "facilmente" levar a fraude por "elementos sem escrúpulos travestidos de 'Blockchain', causando sérios prejuízos econômicas".

Uma possível solução para esses problemas, de acordo com Pengjie, é a criação do "sistema de aprovação" acima mencionado, bem como a implementação de uma certificação de sistema de "nome real", em conjunto com a educação dos investidores sobre Blockchain e moedas virtuais.

Pengjie também sugeriu o estabelecimento de uma plataforma nacional de negociação de ativos digitais Blockchain, regulada conjuntamente pelo PBOC e pela CSRC:

"Assim, podemos fornecer um canal formal para as empresas reunirem fundos e para investidores individuais alcançarem a valorização do capital".

A CSRC assinou um acordo de cooperação de tecnologia financeira com a Austrália em novembro de 2017, com o objetivo de promover a inovação fintech entre os dois países. A proibição das casas de câmbio de criptomoeda estrangeira pelo PBOC, além das outras restrições de serviços "como os de casa de câmbio” de ICO, levou o Bitcoin a cair abaixo de US $ 7 000 no início de fevereiro, pela primeira vez desde novembro de 2017.