O papel da mídia em Blockchain e criptomoedas: Entrevista com o Mike Butcher da TechCrunch

A Cointelegraph teve a chance de trabalhar em conjunto com diferentes mídias incríveis no Fórum Econômico Mundial em Davos. Nós estávamos trocando idéias, contatando eventos, perseguindo os falantes para obter juntos uma entrevista. Mas quando é um colega, nada ajuda para simplesmente conseguirmos fazer uma entrevista - Mike Butcher é aquele que estabeleceu uma tendência de qualidade para o jornalismo tecnológico, aquele que deu os primeiros passos da mídia para abranger o desenvolvimento do Blockchain e criptomoedas, o editor da grande TechCrunch.

Nós discutimos com Mike o papel da mídia na economia digital e a volatilidade do mercado impulsionada pelos meios de comunicação,
a responsabilidade do repórter moderno para o mercado e seus leitores, bem como seu trabalho em relatar o TON ICO da Telegram e o "mainstream" (tendência do momento) da criptomoeda.

CT: Muito obrigado por estar aqui com a gente. Então estamos aqui em Davos e o primeiro assunto que é discutido é a economia digital. Blockchain é a palavra que é mais ouvida em todos os lugares. Como você sente com o jeito que a mídia está lidando agora com tudo o que está relacionado ao Blockchain e à criptomoeda?

Mike Butcher: É interessante porque os principais meios de comunicação estão tentando fazer um "catch-up" (apanhado, alcance) nesses assuntos. A maioria dos jornalistas, mesmo os mais próximos da tecnologia, não está necessariamente em alta velocidade também, porque a indústria do Blockchain e criptomoedas realmente se tornou um grande problema no ano passado. Antes disso, era considerada uma tecnologia interessante, mas as pessoas não estavam muito interessadas nisso como estão agora.

Então, a mídia principal está jogando catch-up e você vê muitos erros simples feitos sobre misturar as diferenças entre tokens e moedas. São pegadinhas. Eu acho que vamos chegar lá, mas certamente é um momento fascinante.

CT: Como você avaliaria a influência da mídia em direção à volatilidade do mercado fintech agora?

MB: Eu acho que há um pouco de problema porque isso precisa ser um jornalismo muito mais robusto sobre esse universo. Muito disso é certamente nota de imprensa. Eu acho que precisamos fazer um trabalho melhor. Seria bom que todos pudessem fazer isso um pouco mais, como o jornalismo independente. Seria melhor.

CT: O que para você é uma notícia que vale a pena ser publicada? Quero dizer, agora, as empresas estão usando Blockchain em seus nomes ou lançando ICOs e acham que isso é interessante. O que chama a sua atenção?

MB: A coisa sobre TechCrunch (site de notícias norte americano) é que estamos fundamentalmente interessados nas tecnologias reais e profundas de todo esse mundo novo, então nós realmente não escrevemos sobre ICOs e coisas assim. Nós preferimos falar sobre a tecnologia subjacente, as aplicações reais, o que isso vai perturbar, esse tipo de coisas. Claro, é bom mencionar o fato de que eles podem estar fazendo uma ICO, mas isso não é para mim o que realmente deve virar uma notícia. E também acho que algumas ICOs são interessantes, muitas não são. É a tecnologia fundamental que conta.

CT: Você é um dos primeiros que pegou o lançamento da TON ICO, Telegram ICO, então, como você avaliaria o projeto? O que realmente atraiu sua atenção?

MB: Eu não era apenas um dos primeiros. A TechCrunch e minha história, que construí com Josh Constine, foi o primeiro mergulho profundo no que o Telegram ICO consistirá, como ele operará na economia por direito próprio. O que isso significa: em geral, para a capacidade de sobrevivência de longo prazo do próprio Telegram, existem enormes implicações sobre como isso afetará outras redes sociais existentes, como o Facebook, por exemplo, o que, é claro, é extremamente valioso neste momento.

Então, o que nos interessa é que pareceu que eles vão mudar para ter sua própria moeda de forma semelhante o jeito como as pessoas estão usando o WeChat na China para trocar valor entre si e pagar bens e serviços. Eu acho que é fascinante porque a ICO da Telegram e a nova moeda TON que está por vir, significa basicamente que essa será a primeira aplicação de consumo mainstream com uma moeda vinculada, algo que ninguém fez antes. É realmente um grande negócio. Por razões óbvias, essa é uma grande notícia para a TechCrunch.

CT: E os outros destaques do ano de 2017? O que mais atraiu sua atenção? O que influenciou e inspirou você em Fintech e notícias sobre tudo isso?

MB: Eu acho que foi fascinante ver o aumento gradual dos bancos desafiadores, como o Revolut ou o Starling na Europa. Então, os bancos desafiantes começaram de repente, penso eu, a dar aos consumidores um gosto por novos sistemas bancários e marcas bancárias. Portanto, uma vez que eles tenham um gosto por isso, eles também podem estar interessados no que está acontecendo no mundo das criptomoedas. É fascinante ver o crescimento da Coinbase como realmente a primeira aplicação de consumo principal, muito comum nesta área. Quem sabe o que 2018 trará? Eu acho muitas coisas interessantes neste mundo.

CT: Quais são suas expectativas?

MB: Eu não tenho expectativas. Eu só tenho que escrever sobre as balas furiosas por um tempo. Eu acho que muitas pessoas são a favor de uma correção do mercado. Eu acho que isso provavelmente acontecerá na economia do mundo real, bem como no mundo das criptomoedas. Na verdade, engraçado, com essas correções de mercado, você realmente ganha muito mais inovação, então o ciclo continua.

CT: E a atitude pública em relação ao Blockchain e criptomoedas? Como tudo evoluiu durante esse tempo que você estava trabalhando para a mídia relacionada à tecnologia e o que você acha que virá nos anos seguintes?

MB: Eu acho que 2017 foi quando vimos a criptomoeda tornar-se uma discussão mainstream. Quando você tem motoristas de táxi conversando com você sobre o Bitcoin - é quando você sabe que é bastante grande, então é um grande problema. Por várias razões que não são necessariamente algo fabuloso, porque isso significa que tudo isso é muito uma bolha. É uma enorme bolha do mercado ultimamente.. Mas acho que a tecnologia fundamental do Blockchain não está indo embora. Ela chegou para ficar. É a camada de autenticação para a Internet que sempre foi preciso e, a partir daqui, o céu é o limite.

CT: O que você tem a falar de Davos e da comunidade da criptomoeda aqui presente? É muito diferente de outras cripto comunidades em diferentes eventos que você já participou? Você acha que o nível da discussão é diferente aqui do que a visão geral do Blockchain e das criptomoedas?

MB: Eu acho que tem muito hype. Lembre-se de que a maioria das pessoas que freqüentam Davos está realmente na comunidade financeira e na gestão de ativos. Agora, isso significa que, de qualquer forma, eles estão naturalmente predispostos a compreender os conceitos em torno de recursos das criptomoedas. Mas em termos de tecnologia, muitas vezes eles ainda estão atrasados, então você vai ver as pessoas no jantar falando sobre o Blockchain, mas eles realmente não sabem sobre o que eles estão falando. É realmente fascinantes assistir. Não é tão geeky (perito em computadores e tecnologias) devemos dizer, como alguns dos eventos que eu fui para cobrir o espaço, mas também é muito interessante e vale a pena, eu acho. Mas como alguém me disse no outro dia: "Por que estamos falando sobre criptomoedas em Davos quando deveríamos realmente estar fazendo nossa própria versão de Davos para a comunidade cripto?" E é provavelmente o que acontecerá.

CT: Que ótimo! Bom, curta a sua estadia aqui em Davos e muito obrigado.

MB: O prazer foi meu. Obrigado!


Siga-nos no Facebook