CEO da Mastercard ataca o Bitcoin e encontra consolo em criptos apoiadas pelo governo

Ajay Banga, CEO da Mastercard, lançou um ataque mordaz a todas e quaisquer criptomoedas que não sejam mandadas pelo governo, chamando-as de "lixo".

As moedas digitais são uma concorrência quase direta para uma empresa como a Mastercard e, quando perguntado sua opinião sobre a tecnologia futurista, Banga não foi elogioso sobre como as coisas estão no momento.

Grande disruptor

Sabendo que as moedas digitais são grandes disruptores no mercado monetário tradicional, os investidores tradicionais e agora mesmo os motores de dinheiro estabelecidos, têm sido mordazes.

Banga não era totalmente contra a idéia de dinheiro e tokenização baseados em Blockchain, no entanto, sua grande advertência era que ele precisava ser apoiado pelo governo.

"Se o governo criar moeda digital, encontraremos uma maneira de estar no jogo. Nós forneceremos trilhos para mover o dinheiro do cliente para o comerciante. As moedas digitais exigidas pelo governo são interessantes. A moeda obrigatória não governamental é lixo", disse ele.

Retórica normal

O ataque de Banga ao Bitcoin não criou nada novo ou visionário, provocando as preocupações habituais sem muito apoio ou pesquisa. Ele criticou o Bitcoin por sua volatilidade e oportnidades de uso para atividades ilegais, como ataques ransomware:

"Se eu pagar uma garrafa de água em Bitcoin, um dia são duas garrafas para um Bitcoin no outro dia são 9 mil garrafas. Isso não funciona. Qualquer moeda precisa de estabilidade e transparência, caso contrário, você terá todas as atividades ilegais do mundo. Por que o vírus ransomware (wannacry ransomware) queria pagamento em Bitcoin? Por que a China criticou o Bitcoin?"

Banga parece ser outro figurão que tem uma participação no jogo e, portanto, não está feliz em desistir de sua fatia de bolo. Ele, junto com banqueiros tradicionais e investidores, têm medo do Bitcoin, pois continua a abrir novos caminhos e explodir precedentes.

A divisão de Wall Street

A divisão de grandes nomes em Wall Street parece crescer diariamente, enquanto os do campo de Jamie Dimon, que chamou o Bitcoin de "fraude" continuam a recrutar aqueles que parecem ter mais medo do que certeza.

Enquanto isso, há aqueles que procuram lucrar, e aqueles que são grandes apoiadores, apesar de ter vindo de canais tradicionais de investimento e fechados.

Axel Weber, ex-presidente do Bundesbank e presidente do UBS, disse:

"Muitas vezes perguntei por que estou tão cético quanto ao Bitcoin. Provavelmente vem do meu passado como banqueiro central".

Enquanto isso, Brock Pierce, presidente da Fundação Bitcoin, está levando essas reações impulsivas como coisas boas.

"Quando a indústria em questão está dando declarações como essas e te reconhecendo ... é um sinal de que o que estamos fazendo é trabalhar ... é uma validação enorme", disse Pierce.


Siga-nos no Facebook