Regulador de Massachusetts suspende vendas de ICO de cinco empresas

A Divisão de Valores Mobiliários de Massachusetts recentemente emitiu ordens de consentimento que exigem a suspensão permanente de cinco Ofertas Iniciais de Moedas (ICOs), alegando que as empresas estão vendendo "títulos não registrados", como informou a Finance Magnates na terça-feira, 27 de março.

Segundo dados oficiais, o secretário da Commonwealth de Massachusetts, William Francis Galvin, ordenou que cinco empresas, a Mattervest, a Pink Ribbon ICO, a Across Platforms‎a Sparkco e a 18 ‎Moons, encerrassem a venda de seus tokens no estado. A Divisão de Valores Mobiliários também ordenou que os emissores da ICO enviassem cartas de rescisão aos investidores e os reembolsem dentro de 45 dias do pedido.

"Uma oferta feita para evitar o registro junto aos reguladores deve ser vista como uma bandeira vermelha, e você deve entrar em contato com meu escritório antes de investir", disse Galvin, dirigindo-se a investidores.

No momento, a única empresa que havia alertado os clientes de que sua ICO estava encerrada era a Mattervest. O site da empresa mostra a seguinte mensagem: "A Mattervest encerrou suas operações". O site da ICO da Pink Ribbon, assim como sua página no Facebook, estão indisponíveis no momento. O restante das páginas (Across Platforms‎Sparkco e 18 ‎Moons) ainda estão operando no momento da publicação, sem notificações sobre a interrupção das operações da ICO.

Em fevereiro, Jay Clayton, presidente da Comissão de Valores Mobiliários dos EUA (SEC), afirmou que muitas ICOs estão violando as leis existentes ao vender títulos não registrados a investidores americanos e advertiu que as ICOs “deveriam prestar mais atenção”, já que a SEC investigará essas possíveis violações.

Nesta semana, Steven Seagal e os fundadores da ICO do projeto “Bitcoiin” anunciaram que estavam deixando a organização após a conclusão de sua ICO.

Em 26 de março, o Twitter confirmou rumores de que proibiria publicidade de cripto, incluindo anúncios de ICOs, em um esforço para proteger o público de potenciais golpistas.