Registro de empresas de Malta irá funcionar com sistema baseado em blockchain

O Registro de Empresas de Malta será administrado por um sistema acionado por blockchain, informou o jornal local Malta Independent nesta quarta-feira, 8 de maio.

O Registro de Empresas é um registro público que contém informações e documentos oficiais relativos a empresas novas e existentes. A agência se separou da Autoridade de Serviços Financeiros de Malta (MFSA) e se estabeleceu como uma entidade individual no final do ano passado. De acordo com o Malta Independent, a nova agência será executada em um sistema baseado em blockchain.

O estabelecimento de uma agência autônoma visa fortalecer a estrutura de gestão interna do Registro de Empresas. O Secretário Parlamentar de Serviços Financeiros, Economia Digital e Inovação, Silvio Schembri, afirmou:

“Através de um amplo investimento em TI, o Registro de Empresas será mais eficiente e reduzirá procedimentos burocráticos desnecessários. Ele será executado por um sistema que lidará com todos os processos executados pelo Registro de Empresas. O novo sistema possibilitará a prestação de novos serviços que, com o sistema atual, não estão sendo fornecidos, fazendo a agência a primeira do mundo a ser operada em um sistema baseado em blockchain."

Em dezembro passado, sete estados membros do sul da União Européia, incluindo Malta, divulgaram uma declaração promovendo o uso da Tecnologia de Registro Distribuído (DLT) na região. Ou seja, o documento cita “educação, transporte, mobilidade, remessa, registro de terras, alfândega, registro de empresas e serviços de saúde” como serviços que podem ser melhorados com a tecnologia.

Mais tarde, em janeiro, uma missão do Fundo Monetário Internacional (FMI) julgou que o crescimento da blockchain em Malta criou riscos significativos de lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo na economia da ilha. Entre suas recomendações, o FMI disse que as autoridades precisariam aplicar mais sanções e aguçar sua compreensão sobre possíveis riscos e violações regulatórias.

Como informado anteriormente, o Primeiro Ministro de Malta argumentou que o DLT irá transformar a gama de sistemas políticos, cívicos e corporativos. Seu potencial para resolver "problemas de décadas" levou o país a "lançar-se como uma 'Ilha Blockchain' ", disse ele, alegando que a ilha era "a primeira jurisdição mundial a regular a tecnologia."