CEO da Calibra afirma que o Libra não ameaça a soberania das nações

O CEO da Calibra, carteira digital do Facebook para sua proposta stablecoin Libra, tentou desmitificar a noção de ameaça que a Libra oferece ao sistema financeiro global.

Não é um dinheiro novo, mas sim uma rede de pagamentos melhor

Em meio à reunião entre os fundadores do Libra e os 26 bancos centrais globais na Basileia, o CEO da Calibra, David Marcus, intensificou o discurso para proteger a posição da Libra Association no Twitter em 16 de setembro.

Em um tópico do Twitter intitulado "Sobre a soberania monetária das Nações vs. o Libra", Marcus escreveu:

“Recentemente, houve muita conversa sobre como o Libra poderia ameaçar a soberania das nações quando se trata de dinheiro. Eu queria aproveitar a oportunidade para desmitificar essa noção.”

O CEO da Calibra afirmou que o projeto de criptomoeda Libra não pretende se constitui numa nova moeda, mas sim construir uma "melhor rede e sistema de pagamento rodando sobre as moedas existentes" para oferecer valor significativo aos usuários em todo o mundo.

Ele enfatizou que não há a criação de um dinheiro novo, que ele "permanecerá estritamente à mercê das nações soberanas".

O Libra deseja forte supervisão regulatória

Afirmando que o Libra será apoiado na razão de 1 por 1 por uma cesta de moedas fortes, Marcus enfatizou que a Libra Association está disposta a ter uma forte supervisão regulatória para impedir que a empresa se desvie de seu compromisso total de apoio de 1 por 1.

O executivo concluiu que o Libra continuará a se envolver com bancos centrais, reguladores e formuladores de políticas para garantir que eles abordem suas preocupações através do design e operações do Libra.

Chefe do BIS diz que os reguladores devem "coordenar" as criptos transfronteiriças

A declaração de Marcus ocorre em uma reunião que deveria ser o primeiro grande encontro entre os fundadores do Libra e os formuladores de políticas globais.

Em 16 de setembro, o Banco de Compensações Internacionais (BIS) organizou uma reunião com altos funcionários de autoridades públicas globais para discutir questões regulatórias de projetos de stablecoin apoiados por instituições financeiras e empresas de tecnologia, afirmou oficialmente o BIS em um comunicado de imprensa compartilhado com o Cointelegraph.

A conferência incluiu apresentações da Libra Association, bem como do banco de investimento global JP Morgan e da empresa de sistema de caixa digital movida a blockchain Fnality International.

Agustín Carstens, gerente geral do BIS, destacou a importância da coordenação regulatória global para entender os detalhes do projeto. Carstens disse:

"Uma parte essencial da avaliação de novas iniciativas é entender os detalhes [...] Quando essas iniciativas atravessam as fronteiras nacionais, é importante que os reguladores coordenem e cheguem a um entendimento comum".

Enquanto isso, o governo alemão se manifestou contra projetos como o Libra em 13 de setembro, alegando que não autorizará o desenvolvimento de stablecoins, seguindo os passos da França.