Kraken: inquérito da Procuradoria-Geral de NY é "golpe publicitário" e ato da VC do Japão é “bom exemplo"

A casa de câmbio de cripto Kraken respondeu à investigação da Procuradoria Geral de Nova Iorque (NYAG) lançada na semana passada sobre as casa de câmbio de criptomoedas, chamando a iniciativa de "golpe publicitário" e referindo-se à lei das moedas virtuais do Japão como um "bom exemplo" de regulamentação "relativamente razoável", de acordo com o um post no blog de 22 de abril.

O procurador-geral (AG) Eric T. Schneiderman lançou a “Iniciativa de Integridade dos Mercados Virtuais” em 17 de abril enviando cartas para 13  casas de câmbio de criptomoedas, dando-lhes um prazo de duas semanas para responder a um questionário de três páginas abordando tópicos como manipulação de mercado. negociação e proteção de fundos de clientes. A Kraken escreve que esta iniciativa "vem como um golpe publicitário", acrescentando que "teriam dado a mesma resposta à AG da Coreia do Norte".

Kraken afirma que achou a iniciativa da NYAG ofensiva, dizendo que o prazo de duas semanas é muito curto, as perguntas são “irrelevantes” e a maioria das informações solicitadas está disponível em seu site, já foi fornecida a órgãos governamentais ou é confidencial por motivos de segurança ou como segredos comerciais.

A Kraken também aponta que eles não têm clientes em Nova Iorque, pois eles saíram após a implementação da BitLicense:

“A AG exige que a Kraken, que não tem clientes em NY, ajude a proteger os consumidores de NY (presumivelmente contra aqueles que obtiveram a BitLicense), sem oferecer qualquer tipo de compensação pelo trabalho profissional de consultoria.”

A Kraken termina suas críticas à investigação da AG, sugerindo a possibilidade futura de trabalhar com o governo na regulamentação, se for "racional":

“Ficaríamos felizes em trabalhar com a NYAG e o NYDFS (novamente) em uma estratégia para substituir a BitLicense por algo racional [...] Faríamos isso de graça, como um presente para o povo de Nova Iorque [mas] fazer demandas públicas, não razoáveis ​​e surpreendentes não é dar o passo certo para restabelecer a confiança e construir um relacionamento”.

Em seguida, a casa de câmbio elabora sobre sua recente decisão de deixar o mercado japonês, citando mais escrutínio na esteira da invasão da Coincheck em janeiro. Contudo, eles observam que a Lei de Moeda Virtual do Japão é “um bom exemplo do que uma regulamentação (relativamente) razoável pode fazer por um país”, acrescentando que “esperamos que a Kraken encontre uma oportunidade de entrar novamente no mercado em breve”.

Ela observa que as maiores casas de câmbio de cripto já vêm colaborando na redução do crime, especialmente no que diz respeito ao congelamento de fundos roubados que foram transferidos para diferentes casas de câmbio.

A Kraken conclui que os reguladores devem consultar organizações que já definiram bons exemplos regulatórios:

“Em vez de entregar os mandamentos da torre de marfim, os reguladores deveriam buscar a expertise dessas empresas que sobreviveram e conseguiram conquistar a confiança dos consumidores e da aplicação da lei ao longo dos anos [...]”