Executivos de casa de câmbio de cripto coreana detidos sob acusações de fraude e peculato

O cofundador e executivo da CoinNest, Kim Ik-hwan, foi detido em Seul e acusado de peculato e fraude, ao lado de dois executivos seniores e o chefe de uma segunda casa de câmbio de cripto não identificada, relatou o jornal Naver em 5 de abril.

Os executivos supostamente moveram os ativos digitais dos clientes para suas contas pessoais no valor de "bilhões de won", segundo os promotores. As autoridades agora estão buscando mandados de prisão para os detidos.

É a primeira vez que o chefe de uma casa de câmbio de cripto é acusado na Coreia. A Coinnest é a sexta maior casa de câmbio do país em volume de negócios, com cerca de 500.000 usuários registrados em janeiro.

A Korea Blockchain Association, um organismo autorregulador para 33 casas de câmbio de cripto locais, está seguindo a investigação para determinar se deve expulsar a Coinnest de seus quadros. A casa foi aberta em junho do ano passado, com o apoio de investidores chineses como a Bitmain. O valor de Coinnest é estimado em mais de 100 bilhões de won.

Um anúncio da Coinnest, na quinta-feira, afirmou que um "sistema de gestão profissional" foi criado para "proteger [...] os ativos dos clientes e criar um ambiente comercial saudável".

A Coinnest foi uma das três casas de câmbio locais invadidas pelos promotores na metade de março, depois que "transferências suspeitas de dinheiro" entre as casas foram detectadas durante uma auditoria feita por reguladores financeiros locais e serviços de inteligência.

As prisões desta semana ocorrem em meio à mudança de Seul para introduzir regulamentações mais rigorosas no mercado de criptomoedas em crescimento no país, o terceiro maior do mundo. Como informou a Cointelegraph, a Comissão de Comércio Justo da Coreia (FTC) ordenou ontem que 12 casas de câmbio melhorassem a proteção ao cliente em seus contratos.

Em dezembro de 2017, o governo coreano proibiu o comércio anônimo de cripto, com seis grandes bancos nacionais entrando apenas dez dias depois para dar suporte à verificação de nomes reais para usuários de casas de câmbio de cripto.

No vizinho Japão, os reguladores locais continuam a realizar inspeções rigorosas nas casas de câmbio de criptomoeda do país.