Alegações da Kik sobre sua blockchain Kin são 'imprecisas', segundo relatório da Coin Metrics

Kik deu declarações imprecisas sobre sua blockchain para a Comissão de Câmbio e Valores Mobiliários (Securities and Exchange Commission - SEC) dos Estados Unidos, segundo alega um relatório da Coin Metrics de 24 de junho.

O relatório teve foco em duas afirmações feitas pela empresa sobre sua blockchain Kin e a criptomoeda epónima.

Em uma carta de novembro de 2018, a Kik havia declarado que sua blockchain “havia excedido em Ether em Bitcoin para sua atividade blockchain diária, demonstrando ampla aceitação e adoção da Kin.”

A Coin Metrics diz que as operações diárias, e a medida da Kik usada para medir a atividade de sua blockchain, sugerem um grande número de criação de contas - mas muitas destas contas permaneceram vazias. Mesmo que a Kin tenha tido um grande número de pagamentos on-chain, o relatório diz que ela parecia "bem abaixo de outras grandes blockchains" em termos de transferência de valores.

A Kik também questionou por que a SEC estava considerando um token como um título mobiliário, já que "mais de 300.000 pessoas já haviam usado o Kin como moeda”. Em sua segunda declaração, a Coin Metrics disse que houve apenas cerca de 35.000 endereços com mais de 10.000 Kins (cerca de US$ 0.23 no momento) durante seu pico. O relatório acrescentou:

"Esta é uma ordem de magnitude menor do que outras blockchains da nossa amostra, cada uma com pelo menos 1.000.000 endereços que possuem pelo menos US$ 1".

Coin Metrics conclui que múltiplas métricas mostraram que a Kin não era mais amplamente usado do que cadeias dominantes, como BTC e ETH, completando:

“Portanto, é essencial examinar vários fatores, incluindo o tipo e a qualidade do uso, para obter uma imagem completa da atividade sobre as matrizes ou qualquer blockchain.”

No último mês, a Kik lançou uma campanha cripto de US$ 5 milhões para financiar um desafio legal contra a SEC para exigir clareza regulatória.

A empresa arrecadou quase US$ 100 milhões durante um evento de distribuição de tokens em setembro de 2017, mas a reguladora alegou posteriormente que a Kik pode ter violado as leis de valores mobiliários.