Japão: Securitize e grupo de advocacia local fazem parceria para promover a adoção de valores digitais

A Securitize — uma plataforma e protocolo de conformidade para emissores de token apoiada pela Coinbase, exchange cripto dos Estados Unidos — fez em parceria com a Associação de Security Tokens do Japão (ASTJ) para promover a criação de um ecossistema de security token na Japão. A notícia foi divulgada pelo Cointelegraph Japão em 19 de junho.

A ASTJ é uma organização de asvocacia voltada para o setor de segurança digital. Como relata o Cointelegraph Japão, os novos parceiros pretendem colaborar de perto com os bancos japoneses, bem como reguladores locais e internacionais, em uma tentativa de promover o desenvolvimento do nascente setor.

Sua iniciativa conjunta visará, ostensivamente, promover adoção de security tokens nos mercados financeiros, promovendo seus casos de uso prático e esclarecendo os marcos regulatórios e legais.

Como o Cointelegraph Japão observa, a emissão de security tokens está sob a alçada da Lei de Instrumentos Financeiros e Exchanges do país.

Nesta primavera, a Câmara dos Deputados do Japão aprovou oficialmente uma nova lei para alterar a Lei de Instrumentos Financeiros e o Exchanges e a Lei de Liquidação de Fundos do país.

Previstas para entrar em vigor em abril de 2020, as novas alterações restringirão ostensivamente a regulamentação sobre criptomoeda, a fim de promover a proteção do usuário, regulamentar de forma mais robusta o comércio de derivativos cripto, mitigar os riscos do setor e estabelecer uma estrutura regulatória mais transparente para a nova classe de ativos.

No início deste ano, a Securitize lançou seu programa de conformidade de security token com a participação de players do setor, como Coinbase Custody, OpenFinance, Rialto Trading, CBlock Capital e outras.

Após fechar uma rodada de financiamento da Série A de US$ 12,75 milhões liderada pela Blockchain no final de 2018, a Securitize aderiu ao programa IBM Blockchain Accelerator em janeiro deste ano.