Presidente do Conselho Econômico Nacional de Israel: BTC é "Intrinsecamente ineficiente e desaparecerá"

O czar econômico de IsraelAvi Simhon, denunciou o Bitcoin (BTC) como intrinsecamente ineficiente, prevendo que a criptomoeda desaparecerá.

Um correspondente da Cointelegraph informou que Simhon - que é chefe do Conselho Econômico Nacional e assessor sênior de política econômica do primeiro-ministro do país - deu essas declarações na Cúpula Israel Bitcoin na Universidade de Tel Aviv em 8 de janeiro.

Simhon argumentou que emitir Bitcoin em escala nacional ou global custaria "trilhões de dólares de custo real em energia", ao contrário do estado atual de coisas em que a moeda fiduciária impressa custa muito pouco. Isso, ele afirmou, é o que impede a invenção de servir como moeda.

Observando que as legislaturas em todo o mundo debateram se classificariam o Bitcoin como um ativo ou moeda, ele argumentou que sua ineficiência como moeda o torna categoricamente um ativo especulativo - como as autoridades fiscais israelenses decidiram em fevereiro de 2018.

Embora intensamente cético em relação ao Bitcoin, Simhon, no entanto, mergulhou na hipótese de que alguma forma de emissão de moeda digital poderia ser aceitável para os governos nacionais.

Ele sugeriu que alguns governos podem estar dispostos a perder os lucros que obtêm da emissão de moeda fiduciária virtualmente sem custo, se a transição para as moedas digitais for considerada, em geral, mais eficiente para o sistema bancário.

Essa decisão, ele afirmou, seria "feita para o bem maior", decorrente do reconhecimento dos benefícios econômicos generalizados que o dinheiro digital poderia trazer.

"Ainda estou bastante confiante de que o dinheiro como o conhecemos mudará", disse ele - mas deixou claro que essa mudança para as moedas digitais não se deve ao modelo peer-to-peer descentralizado e anônimo do Bitcoin, mas sim uma moeda digital de banco central (CBDC).

Simhon observou que o Banco de Israel, o banco central do país, havia estudado se deveria proceder com a emissão de shekels digitais - a moeda fiduciária nacional de Israel - e decidiu contra a medida. Concedendo que ele "não tinha certeza se essa era uma boa decisão", Simhon também afirmou que um bom argumento para a rejeição do banco central era principalmente que nenhum outro país o fez ainda.

A esse respeito, o economista argumentou que, se for bem-sucedido, o projeto piloto existente em moeda digital da Suíça será um divisor de águas para a potencial transição e adoção de CBDCs em todo o mundo.

Por último, Simhon previu que os governos permanecerão firmemente opostos às moedas digitais anônimas, alegando preocupações sobre suas implicações no potencial financiamento do terrorismo.

Conforme relatado em novembro passado, a diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, pediu à comunidade internacional que “considere” endossar as moedas digitais emitidas pelos bancos centrais, permanecendo cético quanto a criptomoedas e ativos não apoiados pelo governo.