Mineradores de criptomoedas iranianos são isentos de impostos se repatriarem ganhos no exterior

Os mineradores de criptomoedas no Irã terão direito a uma isenção de impostos se concordarem em repatriar seus ganhos no exterior, de acordo com a Administração Nacional de Impostos do Irã (INTA).

De acordo com uma reportagem do jornal local Financial Tribune, em inglês, a Índia introduziu uma isenção de impostos de repatriação semelhante à que oferece aos exportadores não petrolíferos.

O INTA considera a mineração de criptomoedas um negócio tributável, como qualquer outra atividade industrial, e, como tal, acredita que deve seguir os requisitos estabelecidos pelo Banco Central do Irã para repatriar seus ganhos no exterior.

De acordo com o Financial Tribune, os mineradores iranianos pensam que as preocupações do governo sobre a possibilidade de fuga de capitais são desproporcionais. Alegam que 70 a 80% da receita de suas atividades retornam ao ciclo de produção.

Eletricidade barata no Irã

A mineração de criptomoedas se tornou um negócio lucrativo no Irã nos últimos anos devido aos preços extremamente baixos da eletricidade. Cada quilowatt-hora custa apenas US$ 0,05 centavos, enquanto um quilowatt-hora nos Estados Unidos custa em média US$ 0,12 e, em alguns estados, US$ 0,33.

Os preços da eletricidade para os mineradores de criptomoedas, no entanto, agora serão estabelecidos com base na taxa média de exportação de energia em riais.

Governo iraniano autoriza mineração de criptomoedas como atividade industrial

Como o Cointelegraph relatou anteriormente no final de julho, o governo iraniano, após meses de especulação sobre o destino das criptomoedas no Irã, reconheceu a mineração de criptomoedas como atividade industrial legal. No entanto, apenas alguns dias depois, o governo iraniano instituiu um novo projeto de lei que não aceita criptomoeda como moeda legal ou reconhece transações domésticas realizadas com criptomoedas.