Regulador bancário global pede uma estrutura conservadora para criptomoedas

O regulador bancário global, o Comitê de Supervisão Bancária da Basiléia (BCBS), pede uma estrutura conservadora de tratamento para os criptoativos.

O Comitê da Basiléia - que inclui reguladores bancários dos Estados Unidos, Europa e Japão - publicou seu relatório sobre o tratamento dos ativos digitais. O estudo foi anunciado pela primeira vez em novembro, como publicado pelo Cointelegraph na época.

No documento, o regulador alega que o crescimento das criptomoedas e serviços relacionados pode afetar negativamente a estabilidade financeira e aumentar os riscos enfrentados pelos bancos. O relatório diz:

“Os ativos digitais são uma classe de ativos imaturos, devido à falta de padronização e evolução constante. Certos ativos exibiram um alto grau de volatilidade e apresentam riscos para os bancos, incluindo o risco de liquidez; risco de crédito; risco de mercado; risco operacional (incluindo fraude e riscos cibernéticos); risco de lavagem de dinheiro e financiamento ao terrorismo; e riscos legais e de reputação.”

“Tratamento conservador” é aconselhado

Além disso, o BCBS expressa a idéia de que, se autorizado, os bancos que decidem adquirir ativos digitais, ou fornecer serviços relacionados, devem usar a prudência, especialmente para tokens de alto risco. O documento também especifica que a exposição à criptomoeda pode ser direta, quando o banco detém os ativos ou indireta quando, por exemplo, o banco possui derivativos.

O Comitê da Basiléia recomenda que os ativos digitais não sejam aceitos como garantia de mitigação do risco de crédito, ativos líquidos de alta qualidade para índice de cobertura de liquidez ou índice de financiamento líquido estável. Além disso, de acordo com o regulador, os criptoativos mantidos na carteira de negociação devem estar sujeitos a uma dedução total do risco de mercado e avaliação de crédito. O artigo diz:

"Este tratamento reflete o alto grau de incerteza sobre o valor dos ativos digitais em tempos de crise."

O documento especifica que as moedas digitais do banco central estão fora de seu escopo e que as stablecoins "justificam uma avaliação e elaboração adicionais antes de especificar um tratamento específico."

O BCBS é um comitê de autoridades de supervisão bancária que foi estabelecido pelos presidentes dos bancos centrais dos países do G10 em 1974.

O Comitê da Basiléia demonstrou há muito tempo que desconfia dos ativos digitais. Como o Cointelegraph relatou em março, na época, o regulador emitiu um alerta sobre criptomoedas.