Plataforma Insurtech que usa blockchain para reduzir e avaliar reclamações em seguros recebe novo financiamento

A empresa de tecnologia de seguros, BlockClaim, recebeu recentemente £ 500.000 (US$ 627.000) em financiamento para desenvolver sua solução baseada em blockchain, de acordo com um post no blog oficial em 17 de junho.

A empresa levantou fundos da empresa de capital de risco Amadeus Capital Partners e da empresa de software Pragmatica, além de outros investidores anjos.

De acordo com o anúncio, o BlockClaim usa a tecnologia blockchain para automatizar seu processo de reclamações. Além disso, a empresa diz que o produto reduz os custos de sinistros em 20% e resulta em liquidações mais rápidas.

De acordo com seu website, o BlockClaim usa um blockchain privado para agilizar o processo de reclamações:

"Aproveitar o poder de um blockchain privado ajuda a manter os dados limpos, acelera o tempo de processamento e aumenta a capacidade de auditoria de pedidos no ecossistema."

O produto também supostamente faz uso de inteligência artificial ( IA ) para fornecer detecção de fraude. O post diz, por exemplo, que o sistema BlockClaim pode fazer uso de um tipo de módulo IA de reconhecimento de imagem, a fim de verificar se as imagens apresentadas em reclamações de colisão de veículos estão descrevendo com precisão o veículo danificado em questão.

O sistema blockchain / IA como um todo supostamente inclui recursos como roteamento inteligente de declarações e detecção de fraude com machine learning.

Como previamente relatado pelo Cointelegraph, a agência de seguros baseada no Reino Unido, Legal & General, está usando o Amazon Managed Blockchain para criar um sistema blockchain para aquisições de pensão corporativos.

Legal & Geral supostamente optou por usar uma solução blockchain devido à necessidade de um registro seguro de transações que poderia durar muito tempo. O CEO do Legal & General Reinsurance, Thomas Olunloyo, comentou sobre a adequação do blockchain para este objetivo, dizendo:

“... permite que dados e transações sejam assinados, registrados e mantidos de forma permanente e segura durante a vigência desses contratos, que podem durar mais de 50 anos.”