Oficial do FMI solicita regulamentação e adoção de tecnologia pelos bancos para combater a "competição da cripto"

Um funcionário do Fundo Monetário Internacional (FMI) sugeriu que os bancos centrais precisam tornar as moedas fiduciárias “mais atraentes para a era digital” em um artigo publicado em 31 de maio. O vice-diretor do Departamento de Mercados Monetários e Capital, Dong He, sugeriu três respostas para combater a potencial concorrência aos bancos centrais das criptomoedas.

Primeiro, He afirmou que “os bancos centrais devem continuar a se esforçar para tornar as moedas fiduciárias melhores e mais estáveis”. Ele ressaltou o papel que a expertise e a experiência coletiva desempenham na formulação de políticas monetárias. O artigo cita Christine Lagarde, diretora-gerente do FMI, que disse que “a melhor resposta dos bancos centrais é continuar a executar uma política monetária eficaz, ao mesmo tempo que está aberta a novas idéias e novas demandas, à medida que as economias evoluem”.

O vice-diretor então argumentou que é necessário regulamentar o uso de ativos cripto para suspender a arbitragem regulatória e qualquer “vantagem competitiva injusta” que os ativos cripto podem obter de uma regulamentação mais leve. Ele explicou:

“Isso significa aplicar rigorosamente medidas para impedir a lavagem de dinheiro e o financiamento ao terrorismo, fortalecendo a proteção do consumidor e tributando efetivamente as transações de cripto.”

Ele também sugeriu a emissão de uma moeda digital do banco central (CBDC) para “tornar seu dinheiro mais atraente para uso como veículo de liquidação”. Ele disse que um CBDC poderia reduzir os custos de transação para indivíduos e pequenas empresas, bem como permitir transações de longa distância. :

“Por exemplo, eles poderiam tornar o dinheiro do banco central amigável ao usuário do mundo digital, emitindo tokens digitais próprios para complementar o dinheiro físico e as reservas bancárias. Essa moeda digital do banco central poderia ser trocada, peer-to-peer de maneira descentralizada, assim como os ativos cripto.”

Ele sugeriu que os bancos centrais podem lucrar com a tecnologia subjacente dos ativos cripto, afirmando que a formulação de políticas monetárias pode se beneficiar da tecnologia ao melhorar as previsões dos bancos centrais usando big data, inteligência artificial e aprendizado de máquina.

Funcionários do FMI criticaram duramente as criptomoedas no passado e sugeriram que sejam mais rigorosamente regulamentadas. No início deste ano, Christine Lagarde afirmou que a regulamentação das criptomoedas é “inevitável” e necessária em nível internacional, com foco na regulação de “atividades” sobre “entidades”.

Em março, Lagarde disse que os mercados de cripto devem ser regulados pelas mesmas leis que se aplicam aos mercados tradicionais. Ela argumentou que as criptomoedas poderiam ameaçar a estabilidade dos mercados financeiros tradicionais, e que as regulamentações devem ser desenvolvidas em escala global com a ajuda do FMI.