Chefe do FMI, Lagarde, fala sobre o "lado obscuro" do cripto: "O Blockchain é "empolgante", mas precisa de regulamentos"

A chefe do fundo monetário internacional (FMI), Christine Lagarde, disse que os mercados de criptomoedas devem ser regulamentados pelas mesmas leis que se aplicam aos mercados tradicionais em uma edição do blog do FMI publicada hoje, 13 de Março.

A postagem, nomeada como "endereçando o lado escuro do mundo cripto", começa por elogiar as virtudes da tecnologia Blockchain , que ela se refere como "um avanço emocionante que poderia ajudar a revolucionar campos além das finanças". No entanto, Lagarde acrescenta que os regulamentadores devem "entender o perigo que acompanha a promessa".

Em termos de formas específicas de promulgar regulamentos que protejam os consumidores nos mercados de criptomoedas, Lagade escreve que é preciso "lutar com fogo contra fogo". Ela traz dois exemplos: Usar a tecnologia de contabilidade digital (DLT) para "criar registros de dados padrão verificados, informações de clientes junto com assinaturas digitais", dados biométricos, inteligência artificial e criptomoedas para encontrar mais rapidamente transações suspeitas.

À medida que as criptomoedas são descentralizadas, anônimas e não têm necessidade inerente de um banco central, Lagarde vê um potencial para seu uso em lavagem de dinheiro e financiamento do terrorismo. Ela menciona o exemplo do mercado "darknet" Alphabay , que teve mais de $1 bilhão trocado através do cripto em sua plataforma no momento em que foi encerrado em Julho de 2017 .

Lagarde escreveu que as criptomoedas podem ameaçar a estabilidade dos mercados financeiros tradicionais e que os regulamentos devem ser desenvolvidos em uma escala global com a ajuda do FMI:

"Nenhum país pode lidar com este desafio sozinho (...) Como os recursos das criptomoedas não conhecem fronteiras, a estrutura para regulá-las também deve ser global ".

O objetivo da Lagarde é dar aos consumidores de moedas digitais a mesma proteção que eles têm nos mercados tradicionais e faz referência a várias agências que ela vê como bons exemplares de diligência regulatória; o Conselho de Estabilidade Financeira (FSB), que observa a inovação fintech, e a força-tarefa de ação financeira (FATF), que combate a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo. A FATF está atualmente preparando um relatório sobre formas de evitar o uso de criptomoeedas em lavagem de dinheiro para o próximo G20 Summit.

Ela também mencionou a US Securities and Exchange Commission (SEC) e outros regulamentadores internacionais, começando a aplicar leis de títulos sobre ofertas iniciais de moedas (ICO).

A retirada da Lagarde é que o cripto está em "algum lugar intermediário", uma moda e uma revolução, e que apenas a cooperação global, juntamente com o FMI, pode "aproveitar o potencial dos recursos das criptomoedas, garantindo que nunca se tornem um paraíso para atividades ilegais ou uma fonte de vulnerabilidade financeira ".

Lagarde havia dito anteriormente que ela acredita que a regulação de criptomoeda é inevitável e necessária. No entanto, ela também falou positivamente sobre o potencial papel das criptomoedas em países com moedas fracas.