Parceira da Huobi nos EUA, Hbus forma equipe para lançar produtos institucionais

A operadora da exchange de criptomoedas Huobi nos Estados Unidos, a Hbus, formou uma nova equipe para lançar produtos e serviços institucionais, de acordo com um comunicado compartilhado com o Cointelegraph nesta quarta-feira, 27 de março.

A nova equipe da empresa será liderada por Katelyn Mew, que já trabalhou em uma empresa global de investimentos, a BlackRock VP, e atualmente lidera o departamento de vendas e marketing da Hbus. Outro diretor da nova equipe é Oren Blonstein, vice-presidente de tecnologia da Huobi, anteriormente da Tora Trading Services e Caspian.

De acordo com o anúncio, a Hbus está avaliando vários serviços potenciais projetados para clientes institucionais, incluindo empréstimos de tokens  e negociações no mercado de balcão. Além disso, a empresa disse que está considerando a emissão de uma stablecoin.

Mew diz que a decisão da Hbus de se concentrar em clientes institucionais foi tomada de acordo com a crescente demanda, já que esses clientes precisam de um mercado seguro e confiável para usar os serviços de criptomoedas.

Frank Fu, CEO da Hbus, diz que o grupo, que irá interagir com os "principais investidores", está agora à procura de mais membros com uma sólida experiência em serviços financeiros.

Fu acredita que o chamado inverno cripto realmente beneficiou a indústria, já que apenas os projetos mais úteis sobreviveram. Ele também acha que a área de criptomoedas terá mais envolvimento dos tradicionais gerentes de fundos de hedge, bancos e gigantes de tecnologia, como a IBM, à medida que mais regulamentações tornam-se concretas.

Em fevereiro, o fundo de gestão de ativos digitais Grayscale Investments divulgou um relatório revelando investimentos significativos no espaço cripto feitos por investidores institucionais. Para o quarto trimestre de 2018, o Grayscale descobriu que os investidores institucionais representavam 66% destes investimentos. Além disso, os investidores eram quase exclusivamente baseados nos EUA (99%), embora estatísticas anuais compreendam participantes de outros países.

Como informado pelo Cointelegraph no final de 2018, o banco multinacional de investimentos e empresa de serviços financeiros Morgan Stanley denominou as criptomoedas como uma nova classe de investimento institucional, observando a formação de novos fundos mirando o setor.

No início de 2019, a exchange cripto Seed CX - uma plataforma licenciada baseada em Chicago para clientes institucionais - lançou uma solução de carteira de ativos digitais com liquidação on-chain em parceria com sua subsidiária de liquidação, a Zero Hash.