Orgão de vigilância de títulos de Hong Kong vai propôr regulamento de cripto, diz seu chefe

A Comissão de Valores Mobiliários e Futuros de Hong Kong (SFC) está planejando introduzir um regulamento de cripto para proteger os investidores, disse o presidente da SFC ao jornal de Hong Kong, o jornal South China Morning Post (SCMP), na segunda-feira, 15 de outubro.

O presidente Carlson Tong Ka-shing - que vai passar sua posição na SFC para Tim Lui Tim-leung em 19 de outubro - disse em uma entrevista que o órgão não está considerando a proibição de plataformas de cripto como a China continental fez, acrescentando que eles não acham que uma proibição total é “necessariamente a abordagem correta”:

“Não funcionará no mundo da internet atual quando a negociação puder ultrapassar as fronteiras nacionais. Mesmo se fôssemos bani-los, as transações ainda podem ser facilmente realizadas através de plataformas em mercados estrangeiros ”.

O funcionário acrescentou que uma estrutura legal para regular as casas de câmbio cripto é absolutamente necessária, observando que a SFC vai considerar a abordagem cuidadosamente, uma vez que tais plataformas são “novas tecnologias” e não podem ser tratadas como títulos. Apesar de não estarem dentro dos requisitos atuais do SFC, Tong propõe compará-los aos traders:

"Precisamos ver se e como essas plataformas podem ser reguladas para um padrão que é comparável ao de um local de negociação licenciado e, ao mesmo tempo, garantir que os investidores estejam protegidos."

De acordo com o SMCP, as casas de câmbio que estão trabalhando no mercado de Hong Kong receberam bem o movimento. Por exemplo, a chefe de operações da BitMEX, Angelina Kwan, disse ao jornal que a autoridade reguladora pode ajudar a desenvolver uma nova indústria. E o CEO da Circle, Jeremy Allaire, disse que a empresa trabalhará proativamente com o governo nessas estruturas.

Como Cointelegraph escreveu anteriormente em uma revisão da política de cripto de Hong Kong, o SFC alertou o público sobre os possíveis problemas da Initial Coin ofertas iniciais de moedas (ICO) pelo menos duas vezes. Em setembro, o país emitiu uma advertência pública sobre os perigos dos investimentos em cripto e ressaltou que as ICOs podem ser consideradas títulos. No início de 2018, um segundo alerta foi divulgado, lembrando o público sobre os riscos potenciais das ICOs e instando os investidores a fazerem a devida diligência.

Em julho deste ano, a SFC declarou em seu relatório anual que está acompanhando de perto a cripto e as ICOs e intervirá quando apropriado.