Novo regulamento de Hong Kong "pode" prejudicar a indústria de cripto local, dizem especialistas

Novos regulamentos para empresas relacionadas a cripto, que a Comissão de Futuros e Valores Mobiliários (SFC) de Hong Kong anunciou anteriormente, podem impedir que os empreendedores de cripto entrem no mercado. Comentários de especialistas sobre a situação foram relatados pela mídia de negócios Nikkei Asian Review na segunda-feira, 17 de dezembro.

Timothy Loh, dono de uma firma de advocacia local, disse a Nikkei que alguns empresários podem decidir não participar da nova estrutura a fim de "manter suas ações atuais no mercado". “Os requisitos da iniciativa da SFC podem ser muito onerosos para alguns operadores”, acrescentou ele.

Outros palestrantes citados pelo Nikkei acreditam que o aumento dos custos de negociação poderia desencorajar investidores institucionais a entrar no mercado, o que poderia funcionar contra os planos de estabilizar os mercados com a presença deles. No entanto, o argumento contrário é que uma política mais rigorosa pode levar a uma maior confiança do investidor, observa Nikkei.

A SFC anunciou pela primeira vez o novo marco regulatório em novembro. As diretrizes compararam as exchanges cripto com provedores licenciados existentes de serviços de negociação automatizada, apontando que eles também precisam proteger os investidores.

Além disso, a SFC tem grandes preocupações sobre casos de lavagem de dinheiro e fraude, que levaram o regulador a introduzir nova legislação. Ele provavelmente será aplicado a exchanges, traders, fundos de investimento e outros negócios relacionados a cripto.

Sob as novas diretrizes, os fundos de investimento são obrigados a obter uma licença da SFC no caso de mais de 10% de seus ativos consistirem em Bitcoin (BTC) ou outras criptomoedas. Além disso, neste caso, eles poderão vender produtos apenas para investidores profissionais.

Antes de solicitar uma licença, os empreendedores de cripto podem participar de uma “caixa de areia regulamentar” para testar suas soluções.

O novo regulamento também se refere às ofertas iniciais de moedas (ICO), informa o Nikkei. Por exemplo, todos os tokens têm que cumprir os requisitos da SFC e são obrigados a existir por pelo menos 12 meses antes do lançamento de um ICO.

Hong Kong é conhecida por sua abordagem significativamente mais leniente em relação às criptomoedas em comparação com a China continental, que mantém uma proibição efetiva das atividades de cripto. De acordo com um relatório recente publicado pela CryptoCompare, a maior quantidade de exchanges top ainda está localizada em Hong Kong (dez) e Cingapura (11).