Chefe da Bolsa de Valores de Hong Kong sugere incompatibilidade da IPO da Bitmain

O chefe da Bolsa de Valores de Hong Kong (HKEX) abordou consultas sobre as listagens de ofertas públicas iniciais (IPO) em meio à confusão sobre a solicitação da Bitmain, gigante no setor de mineração de Bitcoin. O jornal de língua inglesa South China Morning Post (SCMP) relatou os comentários em 24 de janeiro.

Falando no Fórum Econômico Mundial (WEF) in Davos, Suíça, o CEO da HKEX, Charles Li Xiaojia, disse que era importante que os candidatos à IPO fossem coerentes com suas ofertas de negócios.

“Se uma empresa ganha bilhões de dólares através do Negócio A, mas de repente diz que executará o Negócio B sem mostrar nenhum desempenho, ou diz que o Negócio B é melhor, então eu não acho que o Negócio A apresentado em sua aplicação será sustentável", citou o SCMP. Xiaojia continuou:

“Além disso, se as autoridades reguladoras tivessem sido livres [no negócio A] no passado, mas o regulassem no futuro, você conseguiria continuar no negócio e ainda ganhar dinheiro com isso?”

Xiaojia não comentou especificamente sobre a Bitmain, enquanto jornalistas nominavam a empresa enquanto pediam esclarecimentos.

Tendo ganhado a maior parte de sua receita de vendas de hardware de mineração no primeiro semestre do ano passado, a Bitmain encarou supostas demissões e ações judiciais, como a tendência de baixa nos preços do Bitcoin (BTC) tornou a mineração consideravelmente menos lucrativa. A Bitmain também anunciou planos em maio de 2018 para se voltar para a área de inteligência artificial (IA) contra o pano de fundo do escrutínio chinês da indústria de cripto.

A Bitmain tinha planejado realizar uma IPO em Hong Kong durante o segundo semestre de 2018. Após os números do desempenho financeiro sugerirem que a empresa estava em apuros, no entanto, começaram a surgir boatos de que os reguladores também não estavam preparados para permitir a passagem de uma IPO de criptomoeda.

Outra entidade de mineração, a Canaan Creative, deixou planos semelhantes para Hong Kong expirarem em novembro, mas desde então disse estar procurando concluir o processo em Nova York.