Dados do Google Trends confirmam que halving do Bitcoin possui grande interesse

Os investidores do Bitcoin (BTC) e os principais consumidores estão prestando mais atenção ao halving da criptomoeda em maio de 2020.

De acordo com dados do Google Trends em 17 de dezembro, as pesquisas mundiais por “Bitcoin halving” aumentaram significativamente no decorrer de 2019, mais de um ano antes do halving.

Halving do BTC pode fornecer narrativa de alta

No contexto dos últimos cinco anos, o interesse é palpavelmente mais alto, com apenas um breve período, em torno do halving anterior de 2016, observando volumes de pesquisa globais mais altos.

Por outro lado, os resultados de pesquisa sobre "Bitcoin" caíram nos últimos meses, ecoando a falta de interesse associada ao declínio dos preços da criptomoeda.

Worldwide Google search data for “Bitcoin halving” since 2014

Dados mundiais de pesquisa do Google para "Bitcoin halving" desde 2014. Fonte: Google Trends

Como o Cointelelrgaph relatou, ambos os termos de pesquisa tiveram maior atividade no final de novembro, quando os mercados de Bitcoin entraram em um breve período de crescimento.

No entanto, o perfil elevado do halving, em particular, não passou despercebido entre os analistas. Comentando os dados, o co-fundador da Adamant Capital, Tuur Demeester, observou que muitos ainda percebem o halving como um catalisador de preço do Bitcoin.

“Está muito claro que o interesse do varejo no BTC é inexistente e o sentimento dos investidores é muito ruim no momento. A questão é se o halving poderia fornecer uma narrativa otimista - os dados de tendências do Google sugerem que sim”, escreveu ele no Twitter.

Todos os olhos nos mineradores

O halving refere-se ao número de "novos" Bitcoins reivindicados como recompensa pelos mineradores para cada bloco minerado, que irá diminuir em 50%.

Em 2020, a recompensa passará de 12,5 BTC para 6,25 BTC, aumentando a concorrência que alguns dizem já ter afetado o comportamento dos mineradores com antecedência.

Nas últimas semanas, o BTC / USD se conformou com a hipótese de que os mineradores defenderiam um certo piso de preço que corresponde ao seu custo de produção de cerca de US$ 6.500.