Segundo relatório do BTI, wash trading nos mercados globais de cripto cai mais de 35%

O wash trading nos mercados globais de criptomoedas caiu mais de 35% em setembro, de acordo com o mais recente relatório de vigilância do Blockchain Transparency Institute (BTI).

Kraken, Poloniex, Coinbase e Upbit ainda são as plataformas "mais limpas"

De acordo com o relatório, o wash trading global foi reduzido em 35,7% entre as nas 40 principais exchanges listadas pelo Instituto. Os dados do BTI indicam que as plataformas "mais limpas" continuam sendo Kraken, Poloniex, Coinbase e Upbit.

No outro extremo, OKEx e Bibox parecem ter a maior porcentagem de wash trading entre as 40 principais exchanges. Embora os volumes de wash trading nessas plataformas excedam 75%, de acordo com o BTI, seus volumes reais (calculados sem wash trading) ainda as colocam consistentemente entre as 20 principais exchanges do mundo.

O nível de wash trading do Bitcoin é de aproximadamente 50%

Entre outras criptomoedas, o Bitcoin (BTC) está sofrendo com wash trading na escala de pouco menos de 50%, de acordo com dados de rastreamento ao vivo do BTI. Os níveis de Ethereum estão em torno de 75%, XRP em 55% e Litecoin em 74%. O BTI alega que a maior parte desse volume inflado é atribuível à atividades na OKEx, Bibox e Huobi.

Os tokens que mais passam por wash trading entre as 25 principais criptomoedas são Ethereum Classic, Monero e Dash com mais de 80% de volume falso, que o BTI atribui em grande parte à OKEx, Bibox e Bithumb.

Menos de 25% são do Maker Dao, Binance Coin e LEO como os tokens com menos wash trading nas 25 principais moedas.

O wash trading refere-se a uma prática pela qual as ordens de compra e venda são simultaneamente colocadas no mesmo ativo para inflar artificialmente os volumes de negociação, dando a impressão de que o ativo tem mais demanda do que na realidade tem. A prática é ilegal em plataformas de câmbio regulamentadas.

OKEx contesta as alegações do BTI

Como o Cointelegraph relatou, a OKEx reagiu recentemente às alegações do BTI, dizendo que a "metodologia de pesquisa do Instituto não é transparente e eles não fornecem dados para fazer backup de suas reivindicações".

A OKEx sustenta que, dada a sua natureza como plataforma de derivativos cripto, seus padrões característicos de negociação - de “fundos de cobertura, traders proprietários e empresas de trading de alta frequência” - seguem um padrão diferente para locais apenas para exibição.

Portanto, a exchange argumentou que o uso de "parâmetros orientados para o varejo, como tráfego de sites/dispositivos móveis" pelo BTI em sua pesquisa é como “uma comparação entre uma maçã e uma laranja".

Em março, o wash trading já havia se tornado uma questão muito contestada, após uma série de relatórios bombásticos que revelaram a aparente prevalência de práticas comerciais manipulativas no setor.