'Crescimento econômico mundial continua frustrante, mas inovação financeira é ainda uma promessa', diz professor da USP

O Professor de Economia do Audiovisual da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP), Gilson Schwartz, abordou em sua coluna da Rádio USP na última segunda-feira (16), o panorama internacional mais recente para a adoção e regulação de criptomoedas pelo sistema financeiro.

Schwartz começou sua coluna exemplificando a abordagem da França e da China sobre o Libra. Como o Cointelegraph noticiou, a França diz que irá barrar a criptomoeda do Facebook no país, enquanto a China corre para criar uma moeda digital própria antes do lançamento do Facebook.

O professor brasileiro então lembra que as autoridades internacionais ainda lutam contra "muitas fraudes no mundo dos Bitcoins, enquanto preparam suas próprias versões de blockchain para regular as transações econômicas", apesar destes serem territórios ainda "muito inexplorados".

Ele diz ainda que já existe um "movimento internacional" para usar a internet e a adoção da estrutura da tecnologia blockchain para "escapar do controle dos governos e bancos centrais". Ele diz que o sistema financeiro tradicional não foi capaz de oferecer soluções para a retomada do crescimento:

"Desde a crise de 2008, as expectativas de que o sistema financeiro iria se recuperar e ajudar na retomada do desenvolvimento econômico têm sido totalmente frustradas. E não apenas isso: as formas utilizadas pelos bancos para evitar o colapso muitas vezes são as mais perversas".

Ele completa dizendo que as fintechs prometem devem aumentar a concorrência no setor, mas que aquelas que mais se destacam ao fim acabam compradas pelos bancos. Na conclusão, ele diz que o crescimento econômico mundial segue frustrante, mas a inovação financeira segue sendo apenas uma promessa.