Da Internet à cripto - como os mais ricos do mundo avaliam as coisas

Ao longo da história, os pensamentos e percepções das massas foram moldados por líderes da política, indústria e entretenimento.

As maiores mentes do nosso tempo muitas vezes previram e anunciaram algumas das inovações mais prolíficas. Prestando apoio a essas vozes, essas mesmas inovações moldaram a maneira como o mundo funciona.

Internet

Um bom exemplo seria a Internet. A tecnologia revolucionou a comunicação na década de 1990 e levou a um aumento nos investimentos em empresas baseadas na Internet.

O que se seguiu agora é conhecido como bolha das pontocom - um rápido aumento no capital gerado por investimentos especulativos nessas empresas pontocom
levou finalmente a uma quebra no mercado de ações, com muitas empresas com milhões de dólares de capitalização de mercado terminando sem qualquer valor.

Porém, muitas empresas conseguiram sobreviver a esse período - especialmente a Amazon, que hoje é  a maior varejista de Internet do mundo e a terceira empresa pública mais valiosa do mundo.

Ironicamente, alguns dos maiores investidores de nosso tempo perderam o barco da Amazon e em outras empresas de tecnologia - mostrando que mesmo os líderes mais reverenciados do setor podem errar de tempos em tempos.

É interessante ver como alguns desses líderes de pensamento avaliaram as tecnologias emergentes nos últimos 25 anos. Quatro dos cinco homens mais ricos do mundo tiveram opiniões divergentes, como vimos com suas previsões na internet há quase duas décadas.

Em 1996, o fundador da Microsoft, Bill Gates, escreveu um ensaio agora famoso intitulado "Content is King", onde ele esboçou sua previsão para o que tornaria a internet uma invenção que moldaria o mundo. Sua frase de abertura foi um tiro certeiro, em termos de como grande parte da Internet é monetizada:

"O conteúdo é de onde eu espero que saia muito do dinheiro real da Internet, bem como com as transmissões".

Enquanto isso, o mundialmente famoso investidor Warren Buffett estava cauteloso em investir em empresas baseadas na Internet nos anos 90 - algo que ele já admitiue que lamenta.

O fundador da Amazon, Jeff Bezos, tinha mais fé do que a maioria - o suficiente para deixar seu emprego em tempo integral e começar sua própria empresa baseada na Internet. Segundo a CNBC, Bezos viu o potencial do setor devido ao enorme crescimento do espaço, como lembrou em um discurso na Universidade de Princeton, em 2010:

"Eu me deparei com o fato de que o uso da Web estava crescendo a 2.300% ao ano. Nunca tinha visto ou ouvido falar de nada que crescesse tão rápido e a ideia de construir uma livraria on-line com milhões de títulos — algo que simplesmente não poderia existir no mundo físico — foi muito emocionante para mim”.

Cripto e blockchain

Essas visões contrastantes destacam a diferença entre os revolucionários da indústria ao longo dos anos. Este também tem sido o caso com Bitcoin, tecnologia blockchain e criptomoedas mais recentemente. Como o setor cresce em destaque, as mentes mais brilhantes ofereceram previsões, pensamentos e avaliações de moedas virtuais.

Algumas delas são positivas e algumas são negativas. No entanto, vamos dar uma olhada em quatro das cinco pessoas mais ricas do mundo e aeu litaco sobre Bitcoin e criptomoedas em geral. Eles são classificados de mais ricos para baixo, de acordo com a prestigiada lista da Forbes.

Nº1: Jeff Bezos

2018 vai ficar marcado como o ano em que Jeff Bezos se tornou o primeiro centibilionário da história. O fundador, presidente e CEO do patrimônio líquido da Amazon possui agora mais de US $ 100 bilhões, tornando-o o homem mais rico do mundo.

Sua empresa se fortaleceu ao longo dos anos e agora é a maior plataforma de compras on-line do mundo.

Todavia, é quase impossível encontrar comentários feitos por Bezos falando diretamente sobre tecnologia Bitcoin, criptomoeda ou blockchain.

O máximo que temos são rumores históricos de que a Amazon começaria a aceitar o Bitcoin como uma opção de pagamento em sua plataforma, o que até hoje não aconteceu.

Houve mais especulações quando a Amazon comprou três nomes de domínio que sugeriam um movimento em direção à aceitação da criptomoeda em outubro de 2017.

A Amazon Web Services fez uma parceria com a R3 no final de 2017 para fornecer uma das primeiras tecnologias de livro-razão distribuído já existentes na plataforma - o projeto Corda. Ironicamente, isso aconteceu uma semana depois que o CEO da Amazon Web Services, Andy Jassy, ​​disse que a empresa não lançaria serviços baseados em blockchain.

Apesar de tudo isso, ainda estamos para ouvir o que Bezos pensa sobre criptomoedas e blockchain. Dado o escopo de sua empresa e sua própria influência, qualquer comentário do homem mais rico do mundo teria, sem dúvida, um efeito sobre a indústria.

Nº2: Bill Gates

O principal fundador da Microsoft é responsável pelo desenvolvimento de um dos sistemas operacionais mais populares e é classificado como o segundo indivíduo mais rico do mundo pela Forbes. Gates ocupou anteriormente o primeiro lugar entre 2014 e 2017.

Sua riqueza é resultado de sua engenhosidade e ele agora mudou seu foco para empreendimentos filantrópicos. Alguns desses projetos, financiados pela Fundação Bill e Melinda Gates, estão usando a tecnologia blockchain para resolver problemas que afetam países em desenvolvimento.

A Fundação apoiou projetos como a Bitsoko no Ghana, que foi pioneira no processamento de pagamentos de um comerciante Bitcoin e no serviço de carteira Bitcoin em Gana e outros países africanos.

Com isso dito, vamos dar uma olhada em alguns dos mais notáveis ​​palpites de Gates sobre Bitcoin e criptomoedas nos últimos anos.

Durante um  Ask Me Anything (Pergunte-me-qualquer coisa, em tradução livre) no Reddit em fevereiro de 2018, Gates fez algumas observações cínicas sobre criptomoedas em geral.

Gates criticou o anonimato das moedas virtuais, dizendo que elas "não eram boas", pois impediam a identificação de lavagem de dinheiro, evasão fiscal e financiamento do terrorismo. Ele também disse que as criptomoedas "causaram mortes de maneira bastante direta" porque permitiram que as pessoas comprassem drogas pesadas de forma anônima:

"Neste momento as criptomoedas são usadas para comprar fentanil e outras drogas, então é uma tecnologia rara que causou mortes de uma forma bastante direta. Eu acho que a onda especulativa em torno das ICOs e criptomoedas é super arriscada para aqueles que apostam no longo prazo".

A última versão de Gates sobre o Bitcoin foi em uma entrevista na Squawk Box da CNBC, onde ele disse que "iria no curto prazo se houvesse uma maneira fácil de fazê-lo". Gates acrescentou que as ofertas de Bitcoins e ofertas iniciais de moedas (ICOs) não ofereciam nada como uma classe de ativos e que as pessoas não deveriam esperar um aumento no valor.

Embora ele fosse bastante duro com Bitcoin e ICOs, ele deu uma visão mais ponderada da tecnologia blockchain:

“Há uma tecnologia muito boa em termos de compartilhamento de bancos de dados e verificação de transações que são comentadas como blockchain. Isso é uma coisa boa."

A filantropia cripto de Gates

Esses sentimentos estão muito longe de sua visão mais otimista sobre o Bitcoin em uma entrevista em 2014 no programa Smart Street da Bloomberg TV. À época, Gates exaltou as virtudes da transação barata possibilitada pelo Bitcoin:

“O Bitcoin é empolgante porque mostra quão barato ele pode ser. O Bitcoin é melhor do que o dinheiro, pois você não precisa estar fisicamente no mesmo lugar e, é claro, para transações grandes, o dinheiro pode ser bastante inconveniente.”

Na época, o Silk Road e outros mercados escuros da web haviam sido desativados recentemente, mas Gates ainda acreditava que o Bitcoin tinha muito a oferecer:

"Os clientes dos quais estamos falando não estão tentando ser anônimos. Eles estão dispostos a ser conhecidos, por isso a tecnologia Bitcoin é fundamental e você pode adicionar a ela ou construir uma tecnologia semelhante em que haja atribuição suficiente onde as pessoas se sintam confortáveis ​​que isso não tem nada a ver com terrorismo ou qualquer tipo de lavagem de dinheiro”.

Além disso, a Fundação Bill e Melinda Gates há muito tempo apoia projetos blockchain, especialmente na África. Por exemplo, em 2015, a Fundação doou US $ 100.000 para a Bitsoko, uma plataforma queniana de pagamento de comerciante Bitcoin.

A Fundação tem pressionado pelo desenvolvimento de moedas virtuais na África, pois elas poderiam fornecer um meio para os pobres terem acesso a serviços transacionais baratos.

Enquanto Gates mantem o Bitcoin a uma certa distância, a Microsoft teve uma longa associação com a tecnologia Bitcoin e blockchain.

Em 2014, o site da empresa começou a aceitar o Bitcoin como método de pagamento, e sua plataforma de computação em nuvem Microsoft Azure lançou o Blockchain Workbench, que visa permitir que as empresas desenvolvam, testem e lançem aplicativos blockchain.

No. 3: Warren Buffett

Atualmente classificado como o terceiro homem mais rico do mundo, atrás de Bezos e Gates, Buffett é um nome familiar quando se trata de investimentos e finanças.

Atual CEO e presidente do conglomerado multinacional Berkshire Hathaway, Buffett é considerado um dos melhores investidores do mundo. Quando ele fala, as pessoas tendem a prwstar atenção, especialmente quando se trata de dinheiro e investimentos.

O "Oráculo de Omaha" tem sido cético ao Bitcoin. Já em 2014, Buffett foi da opinião de que o valor do Bitcoin é apenas resultado de suas capacidades como uma ferramenta transacional, que ele acredita que pode e será replicado, como ele disse à CNBC:

“Fique longe disso. É uma miragem, basicamente ... é um método de transmissão de dinheiro. É uma maneira muito eficaz de transmitir dinheiro e você pode fazer isso anonimamente e tudo mais. Um cheque também é uma forma de transmitir dinheiro. Os cheques valem muito dinheiro só porque podem transmitir dinheiro? As ordens de pagamento são? Você pode transmitir dinheiro por ordens de pagamento. As pessoas fazem isso. Espero que o Bitcoin se torne uma maneira melhor de fazê-lo, mas você pode replicá-lo de várias formas diferentes e assim será. A ideia de que tem algum valor intrínseco enorme é apenas uma brincadeira na minha opinião.”

Demorou uns bons três anos para Buffett sair nas manchetes relacionadas ao Bitcoin novamente, já que a criptomoeda começou sua maior campanha de todos os tempos, o que acabou levando a uma alta de todos os tempos de US $ 20.000.

Em uma entrevista à CNBC em janeiro de 2018, Buffett declarou categoricamente que ele não negociaria Bitcoin, enquanto previa que as criptocorrências como um todo acabariam mal:

“Em termos de criptomoedas, geralmente, posso dizer quase com certeza que elas terão um final ruim. Agora, quando isso acontecerá ou como, ou qualquer outra coisa, eu não sei.

Ironicamente, Buffett seguiu essa mesma afirmação com outro que sugeriu que ele não estava muito convencido do lado técnico do Bitcoin:

"Nós não possuímos nenhum, não somos curtos, nunca teremos uma posição neles. Eu tenho problemas suficientes com as coisas que eu acho que sei alguma coisa. Por que eu deveria assumir uma posição longa ou curta em algo que eu não conheço?”

As últimas críticas de Buffett ao Bitcoin foram mais fervorosas. Em abril de 2018, ele sugeriu que a compra de Bitcoin estava mais próxima do jogo do que do investimento na preparação da reunião anual de acionistas da Berkshire Hathaway:

“Agora, se você comprar algo como bitcoin ou alguma criptomoeda, você realmente não tem nada que produza nada. Você está apenas esperando que o próximo cara pague mais".

“Você não está investindo quando faz isso. Você está especulando. Não há nada de errado com isso. Se você quer apostar, alguém mais virá e pagará mais dinheiro amanhã, isso é um tipo de jogo. Isso não é investir.”

O senhor de 87 anos alimentou ainda mais essa chama na reunião anual em que lhe pediram sua mais recente análise sobre criptomoedas, afirmando que "as criptomoedas terão um final ruim".

As oportunidades perdidas por Buffett

Embora sua postura em relação à cripto seja bem clara, em 2017, Buffett admitiu que perdeu o barco em certas ações de tecnologia ao longo dos anos, conforme relatado pela Fortune.

Embora a Berkshire Hathaway tenha investido pesado na Apple nos últimos tempos, Buffett lamentou ter perdido a oportunidade de comprar ações do Google quando lançou sua oferta pública incial em 2004, na reunião anual da empresa em 2017.

Buffett teve uma mudança de opinião quando se trata de empresas de tecnologia, dizendo que o mercado "mudou fundamentalmente". Segundo a Fortune, em 2017, as cinco maiores empresas de tecnologia americanas valeriam mais de US $ 2,5 trilhões - a Amazon, a Alphabet (antiga Google), a Microsoft, a Apple e o Facebook.

Buffett disse o mesmo da Amazon em termos inequívocos: "Eu fui burro demais para perceber o que iria acontecer".

Isso levanta a questão: Buffett e alguns de seus parceiros de negócios mais próximos, como Charlie Munger, estão perdendo o bonde mais uma vez? Só o tempo dirá, como sempre acontece.

Nº4: Mark Zuckerberg

Atualmente classificado como o quinto indivíduo mais rico da Terra pela Forbes, Mark Zuckerberg é o cofundador, atual presidente e CEO do Facebook.

Ele tem estado muito nos noticiários ultimamente, devido ao envolvimento do Facebook no escândalo de privacidade de dados da Cambridge Analytica.

Surpreendentemente, Zuckerberg quase não foi citado na mídia quando se trata de seus pontos de vista sobre Bitcoin, criptomoedas e tecnologia blockchain.

Na verdade, é difícil encontrar muito sobre o assunto de Zuckerberg além de sua própria postagem no Facebook em janeiro de 2018.

Nesse mesmo post, Zuckerberg expressou seus objetivos para 2018, que se concentraram em tornar sua plataforma de mídia social uma ferramenta melhor para as pessoas em suas vidas cotidianas. Procurando por áreas para se inspirar, Zuckerberg apontou para as criptomoedas:

"Há contra-tendências importantes para isso - como criptografia e criptomoeda - que tiram o poder dos sistemas centralizados e o devolve às mãos das pessoas... Estou interessado em ir mais fundo e estudar os aspectos positivos e negativos dessas tecnologias, e como melhor para usá-los em nossos serviços".

Ironicamente, o Facebook e algumas das maiores plataformas de mídia social e mecanismos de busca do mundo anunciaram planos para banir a publicidade de criptomoeda e de ICO em suas plataformas.

A decisão do Facebook de banir esses anúncios tem a intenção de impedir que investidores incautos sejam enganados por golpes e serviços fraudulentos - o que poderia ser um esforço compreensível.

No entanto, acaba pintando todas as criptomoedas e serviços baseados em blockchain e empresas com o mesmo pincel, negando-lhes uma das maiores plataformas de publicidade do mundo.

Ventos de mudança

Como vimos, nenhum desses líderes influentes pode prever o futuro, mas quase todos deixaram marcas indeléveis em suas várias esferas de influência.

No entanto, lenta mas seguramente, parece que a tecnologia blockchain e as criptomoedas estão se infiltrando nessas esferas e esses mesmos homens sem dúvida terão opiniões muito diferentes sobre o assunto nos próximos anos.