Ex-Procuradora Federal dos EUA no Money20 20: Há muito mais crimes relacionados as moedas fiduciárias do que as criptos.

A ex promotora federal dos EUA Mary Beth Buchanan falou em um juri durante a conferência Money20 / 20 Europe em Amsterdã na segunda-feira, 4 de junho, sugerindo que precisamos "nos livrar das conotações negativas" em torno da emergente indústria de criptomoedas.

Buchanan enfatizou que “muito mais” crimes foram de fato cometidos com moedas fiduciárias, e expandiu sua opinião em uma entrevista subseqüente com a Cointelegraph:

“Servi 21 anos no Departamento de Justiça (dos EUA) e não é justo dizer que há uma quantidade maior de crimes com criptomoedas. Na verdade, eu discordo fortemente com isso… (ainda mais), criptomoedas podem ser rastreadas, ao contrário das moedas fiduciárias (dinheiro) ”.

Como observou o correspondente da CT, a noção de que as transações envolvendo cripto são, na verdade, mais rastreáveis do que as moedas fiduciárias podem parecer contraintuitivas, já que alcançar o anonimato foi um dos impulsos motivadores por trás da invenção das criptomoedas.

Buchanan, no entanto, ressaltou que agora existem muitas ferramentas “disponíveis comercialmente” que as forças de segurança podem alavancar para rastrear como a moeda se movimentou em uma blockchain. Ela mencionou sistemas de inteligência específicos de blockchain como Elliptic e Chainalysis como exemplos proeminentes.

No entanto, Buchanan admitiu que a aplicação da lei “tem muita coisa a fazer”, comparando o desafio aos primeiros tempos da internet. Ela sugeriu que os reguladores também precisariam “atualizar” suas práticas para “manter o ritmo”, como a legislação desatualizada introduzida no início do século 20 para os títulos tradicionais está provando em si um ajuste inábil para inovações do século 21.

Buchanan está servindo atualmente como Conselheira Geral da corretora Kraken, e diz que ela estava “muito envolvida” na indústria cripto nos últimos quatro a cinco anos. Ela defendeu as criptomoedas como uma “ferramenta maravilhosa” que fornece um meio “custo-efetivo” para a transferência de valor globalmente. Quando questionada sobre o futuro da adoção das criptos Buchanan considerou que já “estamos” vendo “ao redor do mundo”, sugerindo seu uso crescente por populações sem banco.

Como um relatório recente da Cointelegraph mostrou, as criptomoedas são indiscutivelmente exploradas para fins ilícitos, com um artigo de 2018 estimando que “aproximadamente um quarto de todos os usuários ... e quase a metada das transações em Bitcoin ... estão associadas a atividades ilegais.

No entanto, essas descobertas, quando colocadas dentro de um contexto mais amplo, caem em uma luz mais sutil. Enquanto a atividade Bitcoin ilícita global é estimada em um valor de cerca de 72 bilhões anualmente , o mesmo documento cita os números de 2010 que revelam que $100 bilhões foram gastos em drogas apenas nos EUA.