Ex-conselheiro de campanha de Donald Trump lança criptomoeda

Um ex-conselheiro de campanha do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, está planejando lançar uma stablecoin com base em uma reserva fracionária.

Como a revista Fortune informou em 21 de outubro, Stephen Moore anunciou planos para lançar uma stablecoin chamada Frax, que será apoiada por uma reserva fracionada de dólares americanos.

Como tal, a stablecoin não será atrelada a uma reserva de dólares, mas é baseada em algoritmos que emprestam suas reservas e ganham juros, para garantir que o valor da moeda permaneça fixo ao dólar .

Moore e seu parceiro de negócios e cofundador da Frax, Sam Kazemian, disseram que a stablecoin - que deve ser lançada nos próximos meses - será construída com base em blockchains estabelecidas que garantem um registro público resistente a violações.

Moore vê a criptomoeda como uma alternativa às moedas do governo

Moore, que também é economista da Heritage Foundation - um think tank conservador - argumentou que a criptomoeda poderia ser uma alternativa ao dinheiro apoiado pelo Estado:

"Eu segui a política monetária por 30 anos e sempre fui incomodado pelo monopólio do governo sobre a moeda, o que não é saudável para os mercados. [...] Se eu estivesse no Fed, gostaria de ter visto um maior incentivo ao desenvolvimento de criptomoedas como o Frax.”

Neste verão, Moore ingressou em um novo projeto cripto apelidado de "Decentral", que considera Kazemian como CEO e Mike Novogratz - fundador da Galaxy Digital - como suposto investidor. Na época, a Decentral também estava planejando emitir uma stablecoin indexada a fiat/ativo ou estabilizada por algoritmos.

O Decentral lançou-se como uma plataforma que assumirá responsabilidades semelhantes ao Federal Reserve dos EUA no espaço de criptomoedas, como regular o fornecimento monetário e trocar seu próprio token por outras criptomoedas.

Anteriormente, Moore comentou sobre o Libra do Facebook, afirmando que "é interessante, porque esse Libra representa um novo desafio para os bancos centrais, de que agora, eles têm concorrência de moedas privadas".

Enquanto isso, os líderes financeiros do G20 concordaram que a aceitação global de stablecoins dará origem a um conjunto de graves riscos políticos e regulatórios.